Para testemunhar de modo inquestionável a presença de DEUS na vida da humanidade, relacionaremos a seguir alguns fatos. Eles aconteceram com membros do Apostolado dos Sagrados Corações e são acontecimentos absolutamente verídicos. A semelhança de milhares de outros, que diariamente ocorrem no cotidiano do mundo, são merecedores do maior respeito e de nossa admiração, porque são manifestações sobrenaturais que revelam concretamente a Intervenção Divina no meio do povo.

INTERCESSÃO DE NOSSA SENHORA E DE STA. TERESINHA :

Aquele menino nasceu robusto e com excelente saúde na Fazenda de seus avós maternos. Por necessidade de trabalho, os pais mudaram-se para uma cidade do interior de outro Estado. A casa onde foram residir não era grande, mas era confortável e estava bem próxima ao centro da pequena cidade. Apenas tinha um grave defeito, não era forrada, ou seja, não tinha laje ou forro de madeira nos cômodos. Era costume familiar, a mãe dar banho de bacia na criança, e depois, colocá-la no berço para dormir. Estamos em 1932! Naquela época era muito raro o chuveiro elétrico ou chuveiro com aquecedor. O banho das crianças era em bacia, com água aquecida no fogão a lenha. Alastrou-se na região uma virose perigosa, que deu origem a uma epidemia de bronquite capilar, que vinha matando muitas crianças. Os médicos e farmacêuticos da redondeza, não sabiam como debelar aquele mal. Não existia penicilina e o tratamento era feito a base de "sulfa". Contudo, o efeito terapêutico do medicamento era lento e parecia não estar apresentando um bom resultado. Na cidade e redondezas, em cada semana surgiam novos casos, sérios e urgentes, que mereciam atenção e os cuidados dos responsáveis pela saúde das pessoas. Aquele menino não escapou, também contraiu a terrível "bronquite capilar". Com o passar dos dias, o estado de sua saúde começou a se agravar, o que deixou a família extremamente preocupada. Seus pais o levaram a uma cidade vizinha, que possuía maiores recursos médicos, objetivando conseguir êxito a fim de curar a criança. Mas em vão, depois de uma semana de tratamento, retornaram a casa com a saúde do menino num estado mais grave, necessitando de sérios cuidados. E nos próximos dois dias, a situação tornou-se ainda mais difícil, aproximando-se de um limite desesperador. A morte poderia ocorrer a qualquer momento, em face da febre elevada, da infecção pulmonar e da impressionante perda de peso. O menino não conseguia dormir e não se alimentava convenientemente. Para agravar a situação e deixar a família mais preocupada, crianças vizinhas que contraíram o mesmo mal, morreram na sequência dos dias. Então, a mãe do menino, mulher religiosa e inteligente, percebendo a gravidade do mal que envolvia o seu filho, não esperou mais, decidiu reagir visitando a Igreja Matriz da cidade e fez uma promessa, invocando a intercessão de Nossa Senhora da Penha (que é a padroeira local) e de Santa Teresinha do Menino Jesus. Prometeu que se "Elas" conseguissem de DEUS a graça da cura do menino, ela divulgaria vigorosamente o milagre e colocaria no filho(a) que ia nascer (ela estava grávida de 4 meses), o nome de Nossa Senhora e de Santa Teresinha. O tratamento continuou intenso e a mãe com muita confiança na misericórdia Divina, aplicava-se fervorosamente nas orações. O tratamento médico era diário e obrigava pai e mãe a se revezarem a cabeceira do berço da criança, numa cuidadosa e difícil vigília. O SENHOR ouviu a súplica daqueles pais e acolheu a preciosa intercessão de Nossa Senhora Sua MÃE SANTÍSSIMA e de Santa Teresinha do Menino Jesus. No terceiro dia da Novena a criança apresentou o primeiro sinal animador, depois de um doloroso período de 25 dias de muito sofrimento e aflição dos pais, que acompanhavam a evolução da doença. Aquela melhora foi a primeira luz que iluminou a esperança de todos, muito embora o estado de saúde do menino ainda continuava grave e merecia a maior atenção e os melhores cuidados. Mas ali estava a "Mão de DEUS"! O tratamento seguia de modo perseverante e vigilante, com os mesmos cuidados e a necessária atenção. Poucos dias após, o menino voltou a se alimentar e a sorrir. A felicidade envolveu o coração dos pais, que compreenderam a grandeza da intervenção Divina e souberam agradecer penhoradamente ao SENHOR a cura milagrosa da criança. No mês de Março do ano seguinte nasceu a filha do casal, uma menina forte e bonita, que recebeu o nome de "MARIA TERESINHA", em homenagem a Nossa Senhora e a Santa Teresinha do Menino Jesus.

INTERCESSÃO DE NOSSA SENHORA:

Ele trabalhava num Departamento do Governo e fiscalizava a construção de uma rodovia no interior. Homem religioso e devoto de Nossa Senhora, não faltava as Santas Missas aos domingos e a noite, antes de dormir, mesmo cansado, elevava as suas orações a DEUS, agradecendo por mais aquele dia de vida. Também agradecia a Nossa Senhora pela constante e preciosa intercessão junto ao SENHOR, em favor dele e de sua família. Num dia de Outubro de 1957, após o almoço, entrou no jipe dirigido pelo motorista da repartição e seguiu para observar um trecho da estrada em construção. Olhava as obras, enquanto o motorista dirigia o veículo numa velocidade de 40 a 50 quilômetros por hora. Na base de um grande aterro da rodovia em curva, estendia uma bonita várzea cultivada, onde se localizava uma propriedade agrícola de um imigrante italiano. Como era costume na região, colocavam fogo na vegetação para facilitar a limpeza do terreno, objetivando agilizar o plantio no momento oportuno. A queimada deu origem a uma densa e espessa fumaça, que subindo pela saia do aterro, cobriu integralmente aquele trecho da estrada. O motorista confiante em sua direção, entrou naquela nuvem escura da mesma maneira como vinha dirigindo, sem diminuir a velocidade e sem acender os faróis. Aconteceu o inusitado! Surgiu bem a frente, um caminhão do mesmo Departamento do Governo, vindo em sentido contrário, no meio da pista. O choque foi inevitável, forte e destruidor. O jipe com capota de lona não resistiu a intensidade do impacto e foi arremessado longe, lançando o jovem engenheiro chefe das obras a uma distância de 30 metros. Desacordado, com o impulso do impacto, rolou pela pista até a extremidade do aterro, onde as labaredas já apareciam e queriam envolver o seu corpo. Não morreu. Foi socorrido e conduzido ao Hospital, onde o Raio X constatou fratura de três costelas, quebra do maxilar direito, fratura na base do crânio e escoriações generalizadas pelo corpo. Aqueles que presenciaram o acidente ficaram admirados, porque esperavam o pior. Imaginavam que o jovem não resistisse as consequências do desastre. O jipe ficou totalmente destruído e o motorista quebrou a bacia, quatro costelas, quebrou uma clavícula e a perna esquerda. Posteriormente, o engenheiro revelou o que conseguiu perceber: "Eu olhava lateralmente, observando as obras que estavam sendo executadas e notei que entramos no meio de uma densa fumaça. Quando voltei-me para falar com o motorista, o caminhão surgiu a nossa frente grande como um monstro, com certa velocidade e com os faróis desligados. No impacto fui arremessado longe, e rolei pela estrada dizendo: Minha Nossa Senhora! Minha Nossa Senhora! Minha Nossa Senhora! Ela ouviu o meu chamado e me socorreu. Aliviou a grandeza do impacto, amenizou o estrago em meu corpo e não permitiu que desacordado e impulsionado pela força da colisão, descesse o aterro e fosse queimado pelas chamas, que vorazmente surgiam na lateral da rodovia." Nossa Senhora intercedeu junto a DEUS e conseguiu a graça especial de deixar vivo aquele jovem engenheiro, a fim de que ele pudesse cumprir a missão de sua vida, para a sua santificação pessoal e alegria de sua família. Ele compreendeu a grandeza do privilégio recebido e soube reconhecer. Como gratidão, tornou-se um digno, fervoroso e apaixonado filho de nossa querida Mãe do Céu, para a sua própria felicidade e maior honra e glória do CRIADOR.

INTERCESSÃO DE SÃO JUDAS TADEU :

No ano 1962, aquele homem já era um construtor experiente e inclusive, possuía as suas próprias máquinas, as quais utilizava na construção de rodovias. Com sua firma venceu uma concorrência pública e executava serviços para um Órgão Federal. Acontece que por engano da Administração Pública, os funcionários do setor se esqueceram de fazer o "Empenho Financeiro" da verba destinada ao pagamento das obras que estavam sendo realizadas pela firma daquele homem. Como a burocracia nas repartições públicas sempre foi grande e lenta, passaram-se cinco meses sem que existisse qualquer solução. Ele trabalhava e construía a rodovia com suas máquinas e mais de 40 homens, faturava o serviço realizado, mas não podia receber o valor correspondente, porque não havia dinheiro para pagar. E assim foi, até que consumiu todos os seus recursos próprios e se enveredou por um caminho penoso e cruel, atrás de empréstimos. A situação tornou-se crítica, porque os aproveitadores observando a dificuldade da firma, cobravam juros altíssimos, de até 20% (vinte por cento) ao mês. Um verdadeiro furto! E ele, para não faltar aos seus compromissos e não abandonar os empregados da Empresa, aceitava as drásticas condições. Mesmo assim, apesar da dificuldade financeira, o problema administrativo no Órgão Federal continuava sem solução. Já no sexto mês de trabalho na Obra Federal e não havia qualquer indício de pagamento. Então começou a delinear uma terrível consequência, com um abominável caos financeiro em face do apavorante abismo da falta de recursos. Percebendo que humanamente era impossível reverter aquela situação, decidiu suplicar a ajuda Divina. Junto com sua esposa, rezou e pediu a intercessão de São Judas Tadeu. Juntos decidiram rezar com fervor a novena do Santo. São Judas Tadeu sempre amigo e prestativo, compareceu a presença do CRIADOR e suplicou em benefício do casal. NOSSO SENHOR, misericórdia infinita, aceitou as orações do casal e a intercessão de São Judas, interferindo para solucionar o problema. No oitavo dia da novena, o engenheiro construtor recebeu um telefonema de um amigo, que era funcionário do Órgão Federal, informando-lhe que finalmente a Administração Central tinha feito o "Empenho da Verba" e que as faturas correspondentes aos serviços que ele tinha executado na rodovia, estavam sendo enviadas para a tesouraria do Órgão, a fim de ser feito os pagamentos correspondentes. A alegria tomou posse de seu espírito e ele não resistiu a tão grande emoção! Chorou abraçado a sua esposa, louvando e agradecendo a grandeza da bondade Divina, que olhou para a sua dificuldade e teve compaixão de seus problemas. O CRIADOR atendeu as suas súplicas, através da intercessão poderosa de São Judas Tadeu, providenciando para que tudo se normalizasse na obra, que voltasse a harmonia entre todos, e o trabalho em si, fosse consumado com êxito. Naquele mesmo dia a noite viajou de automóvel para receber o que tinha direito. No retorno, pagou todas as dívidas e adquiriu uma imagem de São Judas Tadeu com cerca de 45 centímetros de altura. Solicitou a um sacerdote da Catedral que a benzesse. Em seguida, levou a imagem para a Igreja próxima a sua casa. Ela estava em obras, era uma Capela que por solicitação do senhor Bispo Diocesano, estava se transformando numa bela Igreja, objetivando ser uma Matriz Paroquial. Sem que ninguém visse, entrou na sacristia, colocou a imagem sobre uma pequena mesa e deixou amarrado na mão do Santo um envelope contendo uma vultuosa quantia, para ajudar de modo efetivo nas obras de ampliação daquela Igreja.

INTERVENÇÃO DE JESUS :

Aquele engenheiro agora estava se dedicando a construção de casas para a venda. Todavia, depois de um tempo exuberante, o negócio agora não estava bom, porque o dinheiro "sumiu" do mercado. Como se dizia vulgarmente, ninguém tinha condições para se comprar qualquer coisa. Entretanto, ele já tinha construído uma boa casa na qual havia aplicado um valor apreciável de seus recursos e por isso, como em todo negócio, almejava vender o imóvel e alcançar um bom resultado.

Contudo, aquela dificuldade que ocorria no setor da construção civil, estava relacionada com dois fatos que dominavam os negócios naquela época: o Governo Federal não conseguia equilibrar as suas "contas", originando uma inflação galopante e incontrolável, e o consequente fechamento dos financiamentos das Entidades Financeiras, para aquisição da casa própria. Por essas razões, as perspectivas que eram boas, se deterioraram e se tornaram péssimas.

Passaram-se 8 meses sem que ele conseguisse vender o imóvel. É verdade que apareceram dezenas de interessados, mas nenhum com condição real e com uma proposta concreta para a transação.

Contudo, ele era um homem religioso e praticante, recebeu o mandato de Ministro Extraordinário da Eucaristia e ajudava efetivamente em sua Paróquia. Atuando também na Pastoral da Saúde, levava semanalmente o Santo Viático (a Sagrada Comunhão), para os enfermos e idosos da Comunidade. Desse modo, sendo amigo de JESUS, rezava e pedia luz ao SENHOR, para solucionar aquela dificuldade, abrindo o seu horizonte, proporcionando-lhe discernimento e inspiração a fim de poder seguir com o seu trabalho, recebendo o justo valor pela obra que comercialmente tinha realizado. Os dias passavam rapidamente e logo alcançamos o início do mês de Dezembro de 1986. Como procedia em todas as semanas, foi levar a Sagrada Comunhão para os paroquianos idosos e os doentes da comunidade. Diante do sacrário, enquanto colocava as Hóstias Sagradas na teca, conversava com JESUS: "SENHOR, tenha misericórdia de mim, resolva o problema daquela casa... Como o SENHOR vê, preciso vendê-la. A dificuldade que estou atravessando, está desorganizando a minha vida. Ajude-me, por favor." Assim que terminou de colocar as partículas de JESUS Sacramentado na teca, fechou o cibório e o sacrário, envolveu a teca no Corporal, colocou-a no estojo e seguiu para a missão. Na última visita daquele dia, rezava as orações diante da senhora enferma e da Santa Hóstia dentro da teca, sobre o Corporal aberto. Assim que segurou em JESUS para oferecê-LO a senhora, teve o pressentimento de ouvir a ordem: "Fale ". Com o susto do acontecimento inusitado, ele fechou os olhos e abaixou a cabeça. Assim que a doente Comungou e ele terminou as orações finais, enquanto fechava a teca vazia e dobrava o Corporal para guardá-lo no estojo, disse: "Não sei se a senhora sabe, eu construo casas para vender." Ela com um olhar de admiração respondeu: "Mas que coincidência! Meu filho está vindo do Norte e quer comprar uma casa aqui por perto. Ainda não encontrou uma que fosse de seu agrado!" Ele disse: "Vou deixar com a senhora o meu telefone, se ele se interessar em ver o imóvel, peça-lhe para entrar em contato comigo." No dia seguinte o filho da senhora telefonou e depois de visitar o imóvel, gostou da residência e decidiu comprá-la. Acertou os detalhes da transação e o negócio foi consumado. Sorridente e feliz, o Ministro da Eucaristia com os olhos turvos pelas lágrimas de gratidão, no silêncio da Igreja vazia, ajoelhou-se diante do sacrário de JESUS Sacramentado e agradeceu amorosamente, por tão oportuna e visível intervenção.

 

 

INTERVENÇÃO DOS SAGRADOS CORAÇÕES DE JESUS E MARIA, E TAMBÉM DO DIVINO ESPÍRITO SANTO:

 Aquela senhora era um exemplo de mulher! Já passava dos 70 anos de idade, mas se mantinha com o mesmo vigor e a mesma disposição em ajudar a família, os parentes e aqueles que necessitando, buscavam a sua colaboração. Criou cinco filhas mulheres, ajudou os cinco genros e auxiliou com dedicação aos 13 netos e netas, os quais, cresceram, contraíram matrimônio e fizeram a família aumentar com mais sete membros, ou seja, com mais sete bisnetos até aquela data.

Ela não bebia, não fumava e nem tinha qualquer vício que prejudicasse a saúde. Se alimentava normalmente com verduras e carnes. E também não se mantinha fisicamente na ociosidade. Estava sempre em movimento com os afazeres domésticos e as providências em benefício da família, além de fazer diariamente pequenas caminhadas na rua de sua residência. O único problema era de origem hereditária: tinha pressão alta, controlada por medicamentos.

Todavia, no dia 14 de Novembro de 2003, sem qualquer motivo aparente, começou a sentir reações estranhas no organismo. Telefonou e foi ao médico que lhe dava assistência cardiológica. Não resolveu o problema. Às 15:30 horas deste mesmo dia teve um fortíssimo enfarto. O marido que estava próximo, percebendo a ocorrência, telefonou para o médico e imediatamente a levou de automóvel para o Hospital. Instalada na Sala de Emergência recebeu os primeiros atendimentos e foi internada na UTI. Na sequência dos dias, ainda internada no Hospital, foi examinada e providenciado o Exame Cateterismo, que permitiu aos médicos constatarem a grandeza do mal e definirem sobre a necessidade de uma cirurgia. O problema estava na "Veia Aorta". É uma artéria que abastece o Ventrículo Esquerdo e é a mais importante do coração, porque justamente atravessa o órgão pela parte central e superior. Ela estava completamente bloqueada na extremidade próxima ao coração. Tinha que ser feita uma Ponte Mamária a fim de que fosse contornado o bloqueio e o sangue voltasse a chegar normalmente ao Ventrículo Esquerdo.

A operação foi realizada no dia 2 de Dezembro e tudo transcorreu de modo normal.

Entretanto, no regresso ao cotidiano, não conseguia estabilizar a sua saúde. Não tinha disposição para caminhar, não tinha apetite para se alimentar, sentia falta de ar e quando se recostava numa poltrona tossia muito. Também não dormia de modo conveniente e conversava com muita dificuldade. O médico que a acompanhava não conseguia solucionar os problemas. Em consequência, depois de mais de um ano com estas dificuldades, a situação se agravou, pois observaram nos diversos exames realizados que a "taxa de Ejeção" do sangue, ou seja, a força que o coração lança o sangue no corpo, estava diminuindo sensivelmente. No último exame feito no INCOR em São Paulo, a "taxa" atingiu a um índice baixíssimo de 0,22, quando o normal é de 0,53 a 0,70. Em busca de solução para a sua esposa, o marido a levou a diversos especialistas do coração. Alguns cardiologistas opinaram que aquela "taxa" não era compatível com a vida e que portanto, seria necessário uma segunda intervenção cirúrgica, a fim de eliminar o "aneurisma apical" existente, proveniente do enfarto, e diminuir a capacidade volumétrica do ventrículo esquerdo que estava muito dilatado e "ajeitar o coração", deixando os seus músculos em condições de fazê-lo funcionar normalmente. De um modo geral, especialistas recomendavam providências urgentes, a fim de se evitar o agravamento da saúde e inclusive a possibilidade de morte.

O drama vivido pela família e principalmente pelo marido, era muito grande. Ele já não conseguia dormir normalmente. Noites seguidas, ficava pensando nos encontros com os médicos, na gravidade dos assuntos abordados e as vezes, na maneira estranha e fria, como alguns deles se manifestavam. Aquelas cenas ficavam como um filme, gravadas em seu cérebro. A noite, deitado na cama, elas eram projetadas em sua mente e sucessivamente se repetiam sem cessar, proporcionando uma expectativa desagradável, incômoda e funesta.

Mas havia uma divisão de opiniões, alguns médicos eram contra a segunda operação porque consideravam que a saúde atual da paciente (tinha emagrecido 12 quilos) requeria muitos cuidados e ela estava debilitada. Também ponderavam sobre a idade, pois ela estava com 72 anos e também, argumentavam sobre os riscos inerentes a uma operação de tal porte.

Sendo de Família religiosa desde a infância, o casal soube estabelecer ao longo de sua vida, uma sólida amizade com o SENHOR, revelando a grandeza de um amor perseverante através de um digno e fraterno comportamento existencial, manifestado cotidianamente nas suas atitudes cristãs. Conscientes da gravidade da situação, voltaram-se para DEUS e fervorosamente suplicaram a misericórdia Divina, a fim de que o SENHOR restituísse a saúde a aquela mãe de família. Foi assim que rezaram uma Novena ao Divino ESPÍRITO SANTO e logo a seguir, rezaram uma Novena aos Sagrados Corações de JESUS e MARIA.

Uma grande expectativa, aliada a uma imensa confiança na providência Divina, ocupou a mente e o coração do casal.

No contato cotidiano com os amigos, parentes e pessoas conhecidas, foi lembrada a pessosa de Dr. Antônio, um médico que clinicava na mesma cidade onde moravam. Já era uma pessoa "conhecida através de notícias" e que possuía um bom prestígio em sua profissão. Decidiram e foram consulta-lo. Durante a consulta, o médico silenciosamente ouviu todo o relato e manuseou os últimos exames realizados pela paciente. Depois disse: "O Doutor em São Paulo é um especialista de renome, inclusive é professor na USP. Ele está recomendando que seja feita a segunda operação. Todavia, nós vamos primeiro fazer uma tentativa através dos medicamentos, vamos procurar com os remédios reverter esta situação. Contudo, devemos permanecer alertas e não perder de vista o Doutor da USP, porque não podemos adivinhar o comportamento do organismo da paciente diante dos diversos produtos que vou recomendar. Tudo correndo bem, será para a alegria e júbilo de todos nós. Assim sendo, vamos iniciar a luta enfrentando o problema, com medicamentos.

As orações do casal continuaram e com a mesma pontualidade, a paciente diariamente não descuidava de ingerir a medição prescrita. E então, aconteceu o "grande milagre"!

Setenta e três dias após, ou seja, um pouco mais de Dois Meses, retornando ao consultório de Dr. Antônio, ele pode constatar, o que nós diariamente víamos e presenciávamos: a notável e extraordinária recuperação da paciente. Cessaram as tosses, a falta de ar e a insônia; passou a se alimentar bem e tinha disposição para caminhar, para organizar a casa e providenciar os afazeres domésticos. Estava voltando a ser aquela mesma mulher trabalhadora e eficiente.

DEUS NOSSO SENHOR decidiu que a cura daquela mulher seria irreversível. ELE inspirou o médico a receitar os medicamentos exatos. Assim, aqueles remédios orientados pelo Dr. Antônio diariamente "atuaram no coração" da paciente, como se estivessem realizando uma operação, removendo os coágulos de seu interior, estimulando e dando vida aos músculos, a fim de que tivessem força para trabalhar e irrigar o sangue no corpo dela. Também diminuiu o espaço do imenso volume do Ventrículo Esquerdo e deixou o seu coração num estado de funcionamento em condição de vida, com uma "taxa de ejeção" em torno de 0,44.

 

=CONCLUSÃO=

 

Evidentemente essas narrativas são uma pequena parte do que verdadeiramente ocorre no cotidiano com milhões e milhares de pessoas que estão unidas ao SENHOR. Quero dizer, a Presença de DEUS na vida da humanidade é sempre atual e permanente. ELE não nos deixou órfãos, entregues a nossa "sorte". Todos aqueles que buscam a sua amizade e suplicam a Divina proteção, tanto nos casos mais difíceis e desesperadores, como nos casos mais simples, modestos e até corriqueiros que acontecem no dia a dia, ELE não se omite. Atuando diretamente, ou através de um Santo ou de um Anjo Custódio, ou através de uma forte inspiração, ELE agiliza a providência mais adequada, infundindo sabedoria, discernimento e a Luz necessária, a fim de que as trevas sejam dissipadas e haja compreensão, discernimento, sabedoria e harmonia, e então, a dificuldade seja superada.

Importante esclarecer: DEUS é o CRIADOR da vida. Todas as Suas soluções são para o bem estar do fiel e da família do suplicante. Quando acontecem casos que envolvem a morte, é necessário que exista compreensão e bom-senso. Diante de um acidente terrível, melhor seria que ao invés de ficar sofrendo, o fiel morresse e fosse gozar as delícias do Paraíso, ao encontro dos braços carinhosos do CRIADOR. Mas na maioria das vezes, as pessoas não entendem e não pensam assim, querem a cura de seus enfermos. Isto é natural. Todavia, ninguém pode e não deve se esquecer, de que DEUS é Justiça e Amor Eterno, ELE sabe o que é melhor para a nossa existência. ELE não quer o sofrimento de ninguém. A morte a separação do ente amado e a saudade é dolorosa para os que ficam, contudo, na maioria das vezes, é alegre, vibrante e encantadora para os que partem. Por isso também, por razões determinadas pela Justiça Divina, em outras vezes, o SENHOR providencia a cura milagrosa do paciente, com o objetivo de lhe ensejar continuar vivendo, para completar a sua missão que lhe foi confiada. Assim sendo, o importante é a grandeza de nossa fé, é termos confiança nas decisões do SENHOR e lembrarmos que DEUS inventou a nossa vida, permitiu que nascêssemos para vivermos em plenitude, numa preparação definitiva para a eternidade, numa vida sem fim no Paraíso do SENHOR, envolvidos pelo imenso carinho e a grandeza do Amor Divino, numa felicidade infinita.

Próxima Página

Página Anterior

Retorna ao Índice