DEUS misericórdia infinita, criou a humanidade num gesto generoso e espontâneo de seu Amor sem limites. O ser humano é predestinado, porque foi eleito pelo CRIADOR para nascer, realizar uma missão e através dela, santificar a sua própria vida, que lhe permitirá ganhar a eternidade e participar efetivamente da Glória Divina. DEUS jamais precisou de alguém ou de alguma "coisa" para ser feliz ou completar a sua felicidade. Sua felicidade sempre foi completa, presente e atual. ELE fez a humanidade porque ELE é Bom e quis repartir com todos os seus filhos, a grandeza de seu incomensurável Amor, o conforto do Paraíso Divino e o esplendor de seu Reino. Pelo fato DELE ser DEUS, ELE é Onisciente, conhece o presente, o passado e o futuro. ELE sabia que as pessoas jamais seriam totalmente fieis ao seu Divino e Sagrado Amor. Mesmo assim criou a humanidade de todas as gerações e nos deu o "livre arbítrio", ou seja, a plena liberdade de movimentos, de ações e pensamentos, a fim de que as pessoas fossem livres para decidir e escolher qual o caminho a seguir em sua vida. Isto porque, sendo livres, todas as vezes que agissem com a razão e o bom senso, trilhando a estrada da justiça, do direito e do amor fraterno, levarão alegrias ao CRIADOR e em consequência, receberão mais graças e benefícios, pela compaixão sem limites do SENHOR. Significa dizer, que o ser humano é o centro do Projeto Divino, ocupando uma dimensão imensa no Coração do CRIADOR.
Fomos criados para sermos felizes, vivermos em plenitude e concretizarmos os nossos sonhos e ideais. A humanidade é tão importante para o PAI ETERNO, que ELE conhece cada um de nós, sabe o nosso nome e tem a nossa imagem em sua presença. Por isso mesmo, mandou JESUS seu FILHO para nos redimir e salvar da culpa do Pecado Original e dos pecados subsequentes, dando-nos um "dom especial", configurando o nosso gênio e a índole, criando a característica de cada ser, infundindo um permanente estímulo e um convite para cada pessoa construir a sua própria história, porque aquele dom é a nossa "Vocação para a Vida".

Esta afirmação não é poética e nem fantasiosa, mas está fundamentada na Sagrada Escritura, onde podemos ler nas páginas do Livro de Jeremias, no Antigo Testamento:

"Antes mesmo de te formar no ventre materno, EU te conheci; antes que saísses do seio (que nascesse de sua mãe), EU te consagrei. EU te constitui profeta para as nações. (Jr 1,4-5) (Bíblia de Jerusalém, Edições Paulinas, São Paulo, 1981)

Jeremias inspirado pelo CRIADOR, registrou em seu livro esta realidade do magistral Projeto Divino. O SENHOR nos inventou e nos concede uma missão para a vida. Então, antes de nascermos pela união amorosa de nossos pais, nós já existíamos na eternidade, porque nossa alma criada por ELE, habitava o Bondoso Coração do SENHOR. Mas o CRIADOR não permitiu que nascêssemos simplesmente, sem finalidade! ELE nos deu uma "Vocação". Então, qualquer que ela seja, somos peça deste imenso xadrez que move o mundo, ou seja, aos "olhos de DEUS", temos uma utilidade em nossa existência. Assim sendo, estimulados por essa "Vocação" cada pessoa é convidada a realizar dignamente a sua missão, trilhando o caminho existencial com responsabilidade e fidelidade, a fim de realizar da melhor forma possível, com o maior interesse e dedicação, a missão que lhe foi confiada, com o mais bonito e fraterno amor, objetivando existir em permanente harmonia com a própria vida.

Diante de DEUS todos são iguais! Recebemos DELE o mesmo tratamento, a mesma atenção, os mesmos cuidados e os mesmos benefícios. Não importa a cor de nossa pele, a raça que pertencemos, a religião que professamos e o país que vivemos. Também não importa a qualificação de nossa profissão e nem a dignidade do cargo que exercemos. Somos irmãos, filhos do Mesmo PAI ETERNO que nos inventou para a vida. Isto significa dizer, que podemos ter "Vocação" para eletricista, encanador, pedreiro, advogado, engenheiro, dentista, professor, político, sacerdote, freira, irmã de caridade, gari da limpeza urbana, cozinheira, servente, secretária, médico, etc., não importa, todas as profissões são úteis e tem o seu valor, diante da Justiça Divina. Importa sim, que cada pessoa assuma verdadeiramente a sua profissão, com respeito, dedicação e responsabilidade, isto porque, com a liberdade que o SENHOR nos concedeu, se realizarmos dignamente a nossa "Vocação", será justamente através dela, da profissão que abraçarmos, que iremos santificar a nossa existência, alcançando a amizade e a imensidão do Amor de DEUS, integrando-nos no Projeto Divino, que nos ensejará uma Vida harmoniosa e em plenitude.

Pessoas existem que duvidam de sua capacidade pessoal, imaginando que não são capazes de atingir um objetivo e que não tem merecimento algum diante do CRIADOR. Não é assim. DEUS olha por todos do mesmo modo e derrama sobre a humanidade de todas as gerações, benefícios, graças e virtudes. Nós, é que nos portamos de maneiras diferentes para recebermos o presente Divino! Alguns são mais abertos, mais receptivos, mais carinhosos, mais atenciosos, mais dedicados, mais eloquentes; enquanto outros são secos, impacientes, desconfiados, indiferentes e não muito atenciosos. Então, por essa razão, independentemente da Vontade Divina,  alguns são mais beneficiados do que outros, ou seja, recebem mais graças, possuem mais virtudes, são bem mais sucedidos espiritualmente, por que se abrem mais ao carinhoso chamado de DEUS.

Por outro lado, cada pessoa possui um Corpo e uma Alma. São duas partes vitais, ninguém vive sem elas. O nosso Corpo nasce do relacionamento amoroso de nossos pais. A Alma vem de DEUS. Isto nos faz compreender que cada pessoa tem uma "parte humana" , o nosso Corpo, e uma "parte Divina", a nossa Alma.

Ora, se temos duas partes vitais, a lógica e o bom senso nos conduzem a compreender, que se quisermos viver bem, em plenitude, se quisermos alcançar êxito nos empreendimentos e sermos felizes em nossos dias, teremos que atender igualmente as necessidades das duas partes, ou seja, de nosso Corpo e de nossa Alma.

Satisfazemos as necessidades do Corpo sempre que sentimos fome e comemos; que sentimos frio e colocamos um agasalho; que trabalhamos, que praticamos esportes, que nos divertimos, etc.

Satisfazemos as necessidades da Alma unindo-a a DEUS, através de nossas Orações, das Santas Missas que participamos, dos Sacramentos que recebemos, das esmolas que distribuímos e das boas obras que praticamos.

Procedendo assim, o fiel viverá em harmonia com a sua natureza humana e com a vida, poderá ter as dificuldades e os aborrecimentos que normalmente acontecem no cotidiano, em função das ocorrências diárias, dos fatos que estão relacionados com "a nossa Cruz"(a semelhança de CRISTO), "em função de nossas próprias fraquezas e limitações" (frutos do Pecado Original), e também, "pela interferência do maligno"(através da tentação diabólica). Todavia, teremos sempre a Luz do ESPÍRITO SANTO, a nos inspirar, infundindo discernimento e sabedoria em nossa mente, dando-nos meios de raciocínio e propondo a melhor solução para todas as pendências e para cada caso em particular, no sentido de podermos solucionar todas as nossas dificuldades.

Isto por que, o ser humano foi criado por DEUS para amar, ser feliz e ser santo. O SENHOR falou através do profeta:

"Sede Santos, porque EU, vosso DEUS, Sou Santo". (Lv 19,2)

Alguém poderia perguntar: Mas, ser santo? De que maneira?

Vivendo normalmente, dedicando-se ao trabalho honesto e desfrutando da alegria de viver; sendo uma criatura autêntica, abrindo o coração para uma sincera amizade com o SENHOR, exercitando as necessidades do Corpo e da Alma, caminhando com DEUS nos momentos de júbilo e na tristeza, conscientes da permanente presença do SENHOR em nossa vida e portanto, escolhendo ELE como diretriz primordial para orientar a execução da missão que ELE Mesmo nos confiou.

 

=TANGENCIANDO A REALIDADE=

Todas as profissões são boas e abençoadas por DEUS, porque cada uma particularmente é estimulada pela "Vocação Individual" que recebemos do CRIADOR. Assim sendo, o eletricista, o contabilista e o sacerdote, por exemplo, que exercitam dignamente a sua missão, estão realizando a sua "Vocação Divina". Vivem bem e sobretudo, caminham na direção do SENHOR. Todavia, isto não significa afirmar que as mencionadas profissões sejam superiores as demais. Diante de DEUS, todas as "missões" tem o mesmo "peso", o mesmo "valor" e a mesma "medida". Entretanto existe uma diferenciação profunda entre as "Vocações": há o "Caminho Religioso Consagrado" e a "Vocação Leiga". São duas estradas distintas, bem diferentes uma da outra, embora convergentes para o mesmo objetivo: ambas tem como escopo final, a santificação das pessoas.

Uma pessoa que por "Vocação", recebeu o "chamado" para ser sacerdote, ao aceitar, faz a sua opção de vida, porque ele se "Consagra a DEUS" e faz os Votos de Pobreza, Castidade e Fidelidade. Por conseguinte, os "Consagrados" não podem se casar. Os sacerdotes recebem o Sacramento da Ordem e se tornam Ministros do Altíssimo. Então, pela grandeza dessa "Vocação", eles são convidados a corresponderem, sendo fieis a sua escolha e ao chamado Divino, porque também, eles são essenciais à continuação do cristianismo como JESUS quer. Ao receber o Sacramento da Ordem, o sacerdote recebe também o direito de ser um canal que o ESPÍRITO SANTO utiliza: para perdoar os pecados durante o exercício do Ministério da Penitência ou Confissão, e também, durante a celebração da Santa Missa, no momento da Consagração, o sacerdote é o meio através do qual, o ESPÍRITO SANTO transforma o pão e o vinho, em Corpo, Sangue, Alma e Divindade de NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, o FILHO DE DEUS. Por essa razão, pela grandeza da dignidade que recebem, a resposta de cada sacerdote deve revelar a compreensão do valor imenso de sua "Vocação" através de um fervoroso e eficiente empenho em sua função, com o objetivo de se tornar um verdadeiro padre, presbítero responsável e idôneo, que embora sendo um ser humano igual a todos, com suas limitações, fraquezas, defeitos e qualidades, seja uma pessoa íntegra, que saiba honrar as graças e os privilégios da "Vocação" e procure ser um homem santo, sempre pronto a servir, a ajudar e a consolar, sem visar qualquer interesse ou alguma vantagem. Conhecendo a instabilidade da mente humana, que oferece a cada momento atitudes e opções diferentes, que as vezes não são compatíveis com o caráter e a conduta da pessoa em si, o sacerdote deve ter a sabedoria da conduta e do silêncio para alcançar a luz e o discernimento do ESPÍRITO, que lhe dará a inspiração e lhe indicará o procedimento mais adequado, proferindo um ensinamento ou o melhor conselho em cada caso. Da mesma forma, aquele que recebeu a "Vocação" para ser médico, e que na conclusão do curso fez o juramento de servir a humanidade com dedicação, sabedoria e fidelidade, não pode e não deve trair os seus princípios profissionais, revelando uma moral decadente, visando exclusivamente o enriquecimento, prejudicando as pessoas e as entidades, mesmo involuntariamente. E também, é inaceitável quando um profissional revela um caráter imoral e desprezível, "aproveitando-se" do fato de se encontrar a sós com um(a) cliente no consultório, para seduzi-lo(a) ou atraí-lo(a) pela lascívia da sexualidade. È um comportamento mesquinho que não demonstra "Vocação para a Vida" , mas ao contrário, mancha o caráter e envereda num caminho macabro, numa trajetória indesejável que sugere "Vocação para a Morte". Os pecados cometidos sob a cortina da profissão, seduzindo os clientes, a maioria espiritualmente desprevenidos, são tramados e forjados no interior de mentes satanicamente doentias, e por isso mesmo, de uma gravidade incalculável. "É um pecado contra o ESPÍRITO SANTO", por que é cometido com "pura malicia" e com plena "obstinação na transgressão", ofendendo e repugnando a bondade Divina. E pecar contra o ESPÍRITO SANTO é uma transgressão terrível e de consequências imprevisíveis, conforme São Mateus registrou em seu Evangelho. JESUS disse: "Todo pecado e blasfêmia serão perdoados aos homens (a humanidade) , mas a blasfêmia contra o ESPÍRITO SANTO não será perdoada". (Mt 12, 31)

 

Próxima Página

Retorna ao Índice