CRIA플O E SALVA플O

 

DEUS criou tudo o que existe, o universo com os astros, o Cu, a Terra, os animais, as aves e toda humanidade, dando as pessoas, virtudes, graas e o "livre arbtrio", ou seja, a plena liberdade de movimentos, a寤es e pensamentos, a fim de que cada um vivendo intensamente, exercitasse o discernimento e procurasse trilhar a vereda do bem, fosse um verdadeiro Filho de DEUS. E porque ELE procedeu assim? DEUS fez tudo isso, porque Bom. ELE no precisa de nada para completar a sua felicidade. ELE feliz. Sua felicidade eterna e completa. Assim sendo, tudo aconteceu normalmente, numa manifesta豫o espontnea de seu infinito Amor, que se compraz em dividir os seus bens, o esplendor do Paraso Divino, com a sua cria豫o, com todos os seus filhos, agindo como um verdadeiro PAI que ELE .

Pecado Original:

O CRIADOR por ser DEUS, Onisciente, ELE conhece o presente, o passado e o futuro e por isso, sabia que a humanidade no seria totalmente fiel ao Amor Divino. Mesmo assim, criou os nossos primeiros pais, Ado e Eva, e colocou-os no den, no paraso terrestre, e deu-lhes um mandamento: "Podem comer os frutos das rvores do jardim. Mas da rvore da cincia do bem e do mal no comero, porque no dia em que dela comeres, morrero." (Gn 2,16-17)

Entretanto, apesar de dotados com especiais prerrogativas, nossos primeiros pais traram o Amor Divino no primeiro teste de fidelidade, desobedeceram ao SENHOR, relegaram as palavras Divinas a um plano inferior e acolheram a insinua豫o tentadora do Anjo das Trevas, quebrando a harmonia que existia entre as criaturas e o CRIADOR, cometendo um Pecado de Desobedincia, que foi o Primeiro Pecado, tambm chamado, Pecado Original (Gn 3,1-24).

No difcil entender que a transgresso foi formal e positiva, porque consumada conscientemente contra o Amor do PAI ETERNO, por criaturas que possuam uma quantidade exuberante de graas e viviam em plena comunho com ELE. Como DEUS eterno, princpio e fim de todas as coisas, a ofensa cometida contra ELE, tem reflexos e consequncias infinitas e por conseguinte, atingiu a humanidade de todas as gera寤es, como uma ndoa indesejvel e perniciosa, que atuando sobre a cria豫o, neutralizou os dons especiais contidos na "Graa Inicial" . Significa dizer, que cada pessoa ao nascer recebe a "Graa Inicial" , mas sem os "dons especiais", que foram substitudos pela "mancha hereditria do Primeiro Pecado", que se revelou avassaladora e "abriu as portas" a todos os demais pecados. Como o ser humano finito, tem suas a寤es limitadas. As criaturas no tem meios de praticar uma boa a豫o que tenha alcance infinito para consolar o Cora豫o do CRIADOR, por causa daquele Primeiro Pecado e dos Pecados Subsequentes. Dessa forma, impossvel a humanidade conseguir a salva豫o com os seus prprios recursos pessoais. Por isso mesmo, todas as gera寤es que se seguiram at a chegada do Redentor, as pessoas que no tinham "pecado mortal", que eram dignas e responsveis, que exercitavam a justia e o amor fraterno, quando morreram sua alma no subiu ao Cu, por causa do Pecado Original e dos outros pecados cometidos, mas permaneceram em "purifica豫o" esperando a chegada do Messias Redentor. A Igreja considerava que aquelas almas fossem para um local, denominado "Limbo", uma espcie de ante-sala do Paraso Divino, onde permaneceram at a chegada do SENHOR Salvador e Redentor de toda humanidade. Com a "Graa Redentora de JESUS" todas as almas que l esperavam, foram para o Cu.

Para que seja entendido com mais clareza a realidade da transmisso do Pecado Original todas as gera寤es, faz-se mister lembrar que DEUS Onisciente e portanto, diante DELE "tudo est presente" . Assim sendo, ELE conhece todas as ocorrncias e suas consequncias, v o desenvolvimento e o interior da histria. Isto significa dizer, que tambm naquele momento sinistro, quando aconteceu o Primeiro Pecado, todas as gera寤es, inclusive a nossa e aquelas que iro nascer, estvamos espiritualmente presentes no Cora豫o do CRIADOR. Ento todos ns fomos atingidos pelo efeito da "Primeira Ofensa", quero dizer que em face do acontecido, a natureza humana perdeu na Origem , os dons Especiais da Graa Santificante Inicial que mantinham as criaturas unidas a DEUS, ocasionando o nascimento das gera寤es "em estado de pecado Original", isto , com a mancha do Primeiro Pecado e portanto, espiritualmente sujeitas a tenta豫o e a todas tramas diablicas.

Ento, o Pecado Original causou uma tragdia irreparvel no mbito da cria豫o, porque responsvel pela desordem das paixes, pela concupiscncia e o desequilbrio dos sentimentos, fazendo com que as criaturas sejam conduzidas a praticarem o mal.

Todavia, importante esclarecer, que o Pecado Original no designa e nem determina que a humanidade pecadora desde a origem, da mesma forma que no quer afirmar que a nossa condi豫o inata, no comporta por isso mesmo, uma amizade com DEUS e uma participa豫o na vida Divina. No. O raciocnio no deve ser encaminhado por esta vereda negativa. Inventados e criados por DEUS, o primeiro homem e a primeira mulher no eram pecadores, ao contrrio, estavam revestidos de todas as graas, eram santos e inclusive conversavam com o SENHOR. Eles perderam a santidade e os dons especiais porque misteriosamente deixaram-se envolver pela tenta豫o diablica e pecaram. Todavia, inclusive o "ato de pecar" cometido por eles, demonstra a "liberdade" que possuam, a livre escolha de seus atos que o CRIADOR lhes havia concedido, mostrando que no eram autmatos, que tinham a prpria vontade e podiam optar e seguir o caminho que desejasse. Esse privilgio, testemunho autntico, da grandeza do Amor de DEUS, que o SENHOR generosamente derrama sobre as suas criaturas, embora muitas pessoas sejam indiferentes e a maior parte no acolhe esse precioso benefcio.

Este o sentido que deve explicar o "desabafo" de So Paulo (Rm 7,19-20). A humanidade no m por natureza, mas se deixa conduzir por Satans e suas foras, que a induz praticar toda a sorte de desatinos e violncias, e dessa forma, se afasta do modelo Divino, de ser espiritualmente imagem e semelhana do CRIADOR.

Por outro lado, o primeiro pecado no foi somente um "Pecado de Desobedincia" , mas foi tambm um "Pecado de Soberba", exatamente igual a transgresso cometida pelos Anjos cados. O demnio sob a forma de uma serpente, tentadoramente induziu Ado e Eva comerem o fruto da "햞vore da Vida", dizendo-lhes palavras cheias de sedi豫o, para que acreditassem: "se comessem seriam como deuses, versados no bem e no mal"(Gn 3,5). Isto, apesar do SENHOR lhes terem recomendado que no comessem daquele fruto. Ento por si s, o gesto traduz arrogncia, mostrando que eles tiveram a presun豫o de serem iguais a DEUS.

Ao pecar perderam os privilgios e todos os preciosos dons especiais, ficando s com aqueles dons que a natureza humana ordinariamente possu.

Complementando podemos dizer que a ndoa do primeiro pecado no somente uma mancha hereditria desprezvel, mas uma "carncia" de algo que devia estar em nossa alma desde o nascimento, algo (que chamamos de Graa Santificante), que eleva a alma uma vida sobrenatural junto a DEUS, mas que perdemos logo no incio da cria豫o, por causa do Pecado Original.

Mas, DEUS Onisciente e Onipotente, ELE sabia que tudo isso aconteceria e por essa razo, tambm no incio da cria豫o idealizou enviar o seu Divino FILHO, para Salvar a humanidade e conceder-lhe condi寤es de vida. E assim aconteceu: na plenitude dos tempos veio JESUS DE NAZAR, o FILHO DE DEUS, que nasceu da VIRGEM MARIA pela vontade do CRIADOR e a豫o do ESPRITO SANTO, no meio do povo que ELE veio Salvar e Redimir, para a maior honra e glria do DEUS Eterno e Todo-Poderoso.

Reden豫o e Salva豫o:

As gera寤es de todos os tempos, recebe o "chamado" Divino e envolvida pela aten豫o e pelo generoso amor do SENHOR, que infunde em todos, voca豫o para o trabalho a fim de que tenham condi寤es de produzir, construir e governar no mbito da terra, em nome de DEUS, fazendo dela um reino de ambos. Recebem ainda, outra ajuda extraordinria e preciosa, de valor incalculvel, porque necessria e essencial salva豫o, qual seja, a reabilita豫o e justifica豫o perante o CRIADOR. Esta "graa especial", alm de justificar os pecados subsequentes, oferece meios para que as pessoas encontrem a felicidade nesta vida e no futuro possam aspirar as delcias do Paraso Divino.

O Plano Divino foi colocado em prtica pelo PAI ETERNO ao longo dos sculos, gradativamente e sem precipita寤es. Tudo aconteceu nos sonoros acordes amorosos do Cora豫o de DEUS, no silncio da eternidade. Primeiro o CRIADOR revelou a sua vontade aos Patriarcas e Profetas. Escolheu um povo, o judeu, para ser o arauto da verdade e propagador de sua misericrdia. Guiou-o e o beneficiou, mas tambm no se esqueceu do resto da humanidade, estendendo os seus carinhos e a sua inestimvel ajuda todos que procuravam a sua paternal prote豫o. Desde essa poca o SENHOR Se revelou bondoso, fiel, cheio de compaixo, justo, zeloso, com personalidade forte e uma santidade exigente, muito embora as criaturas fossem as mesmas: infiis, frgeis, inconstantes em seus ideais e repletas de imperfei寤es. ELE definiu o Plano de Reden豫o da humanidade e na plenitude dos tempos nos enviou o seu prprio FILHO, JESUS DE NAZAR, para cumprir uma admirvel Misso de Amor.

JESUS, a Segunda Pessoa da Santssima Trindade, DEUS como o PAI e o ESPRITO SANTO, e por isso, a grandeza e o valor de suas a寤es so incalculveis, atingem o infinito, com poder e alcance para justificar e remir a humanidade perante o PAI ETERNO. Dessa forma, o ato do SENHOR de morrer na Cruz derramando o seu Sagrado e Precioso Sangue sobre todos ns, tem fora e valor Divino para consolar o Cora豫o misericordioso do PAI ETERNO e salvar a humanidade de todas as gera寤es.

E JESUS foi perfeito na execu豫o de sua Divina Obra, assumiu a culpa dos pecados de todas as gera寤es, daqueles que tinham morrido e esperavam no "Limbo", daqueles que viviam em sua poca e das gera寤es futura. Como um pecador desprezvel, foi preso, julgado de maneira vergonhosa e ignbil, e condenado a morte de cruz. Submetido a uma terrvel e covarde flagela豫o, silenciosamente recebeu todos os golpes e sofreu todos os maus tratos, por amor a cada um de ns, e por isso, de nada reclamava como se a brutalidade, a covardia e a violncia dos carrascos, fizessem parte da lei de castigar. Enfrentou uma dolorosa "Via Crucis" at o Calvrio e morreu crucificado entre dois ladres, num procedimento misterioso e incompreensvel ao entendimento humano, mas de mrito infinito perante o PAI ETERNO CRIADOR. Derramando o seu precioso e sagrado Sangue no alto da Cruz, lavou a alma de todas as gera寤es, neutralizando o efeito do Pecado Original e beneficiando a todos, sem exce寤es, com as graas geradas no seu Sangue Redentor, independentemente do merecimento das pessoas, da cor da pele e do credo que cada um professa. Com seu gesto de amor, JESUS salvou a humanidade de todos os tempos. E ainda, deixou-nos o seu exemplo maravilhoso de Homem, os seus ensinamentos e sua doutrina de amor; instituiu sete preciosidades que so os Sacramentos, para santifica豫o das pessoas; deixou-nos tambm MARIA SANTSSIMA, sua M홂, para ser a me da humanidade, nossa intercessora, advogada e poderosa medianeira de todas as causas junto DELE, conseguindo de DEUS as graas e os benefcios que necessitamos ao longo de nossa vida.

Por outro lado, como Palavra Encarnada, ou seja, como o "Logos de DEUS" , JESUS nos revelou o PAI ETERNO, delineando os contornos fascinantes da Primeira Pessoa da Santssima Trindade. Interps entre a humanidade e o CRIADOR, tornando-se o Mediador por Excelncia, o MEDIADOR SUPREMO, diminuindo a distncia infinita que separa as criaturas de DEUS. A partir de ento, todas as splicas e preces passaram a ter sentido, porque dirigidas a JESUS encontram ressonncia, ampliam o valor de persuaso e so encaminhadas por ELE Mesmo, ao Cora豫o Misericordioso e repleto de Bondade do PAI ETERNO.

Na prtica, a humanidade comea a ser beneficiada pela Obra de JESUS atravs do Sacramento do Batismo, que o primeiro sacramento. Ele atua, neutralizando no fiel o efeito nefasto do Pecado Original, alm de derramar uma quantidade notvel de graas Santificantes e graas Sacramentais, recuperando parte dos dons que a natureza humana perdeu na origem. Entretanto, os dons Preternaturais (cincia infusa, no sentir dores, no morrer, etc.) , estes, jamais podero ser recuperados, porque eram prerrogativas especiais que se perderam para sempre, por causa do Primeiro Pecado.

Tambm importante destacar, que ao longo de sua Vida Pblica, JESUS no se preocupou em ficar em evidncia e por isso mesmo, no falou sobre a Sua Pessoa, no evidenciando uma conscincia sobre Si Mesmo, mas uma conscincia sobre o PAI ETERNO. assim que apresenta o CRIADOR rico em compaixo, que vai procura da criatura perdida e daqueles que necessitam de ajuda e prote豫o; um PAI carinhoso de ilimitada bondade para com todos, principalmente com os extraviados, os pecadores, os lesados e os miserveis, da mesma maneira que no se esquece daqueles que so bons, de carter exemplar, retos de cora豫o, dos sadios e dos bem sucedidos na vida, que buscam o seu auxlio e o seu Divino amor.

Resulta destas considera寤es, que o CRIADOR manifesta a sua natureza mais ntima, revelando-se um PAI bondoso e cheio de complacncia, que se compadece e perdoa os seus filhos pecadores que buscam o seu inefvel e to querido refgio.

Por ltimo, devemos ressaltar que JESUS no acolheu os enjeitados e desprezados, simplesmente por caridade ou por um sentimento filantrpico, mas para evidenciar a Vontade e o domnio do PAI ETERNO que ELE sempre anunciou, atravs de seus Sermes, das admirveis Curas e das Suas Obras de Misericrdia, quando inclusive, deixou-nos Seu precioso e valioso Mandamento do Amor.

Atua豫o do ESPRITO SANTO:

Completando o fundamento da F Trinitria, depois das manifesta寤es do CRIADOR no Antigo Testamento e da Ressurrei豫o Gloriosa de JESUS que deu total autenticidade aos seus ensinamentos e a toda sua Obra contida no Novo Testamento, quem atua com maior evidncia a Terceira Pessoa da Santssima Trindade. O DIVINO ESPRITO SANTO d ao SENHOR plena atualidade, fazendo aparecer os frutos da Reden豫o, conduzindo a Obra Redentora de modo dinmico e notvel, impulsionando as criaturas a vencerem as suas dificuldades e a realizarem a sua voca豫o. Significa dizer, que o ESPRITO DE DEUS, numa erup豫o encantadora e espontnea do imenso e generoso amor que une os Trs Divinos , fica em evidncia e atua: recordando os ensinamentos de CRISTO e fazendo com que as pessoas compreendam toda a Obra de JESUS, derramando uma quantidade admirvel de dons e carismas sobre as criaturas, assim como aprimorando as virtudes e melhorando as qualidades existentes em cada um: infundindo sabedoria e entendimento, inspirando iniciativas, vivificando, santificando, dando disposi豫o e coragem nos embates cotidianos, estimulando a caridade e fazendo com que haja justia, fraternidade e paz. E tudo isto acontece, porque o ESPRITO SANTO procedendo do PAI e do FILHO, Comunica豫o de Vida, a essncia do Amor que une na SANTSSIMA TRINDADE as "Trs Pessoas Divinas".

As Trs Pessoas Divinas:

Estas considera寤es nos permite compreender que cada Pessoa Divina fica em evidncia durante um "tempo" na existncia da humanidade, embora as Trs Pessoas Divinas mantenham sempre uma estreita e harmoniosa unio entre Si, coexistindo em completa e perfeita comunho de amor, em "pericrese" (palavra grega indicando que as Pessoas Divinas interpenetram-se reciprocamente). Dessa forma, as Trs Pessoas no agem isoladamente, independentemente uma das outras. Sempre atuam em comunho, interligadas entre Si, apesar de possurem individualidade prpria, subsistente e concreta. Assim, sob o nome de DEUS devemos entender sempre a presena das Trs Pessoas Divinas. Tudo o que existe procede do PAI, pelo FILHO, no ESPRITO SANTO. As Trs Pessoas so perfeitamente iguais em poder e com a mesma substncia Divina. Esta realidade nos leva a compreender, que embora DEUS seja UM, NELE existem Trs Pessoas Divinas, diferentes entre s, porque o PAI no igual ao FILHO e tambm diferente do ESPRITO SANTO, da mesma forma que o FILHO no igual ao ESPRITO SANTO. So Trs Hipstases, numa nica e mesma Natureza, Essncia e Substncia Divina. O PAI DEUS, o FILHO DEUS e o ESPRITO SANTO DEUS. Mas no so "trs deuses" distintos e sim, UM NICO e Mesmo DEUS, no qual existem Trs Pessoas Divinas. Por isso tambm dizemos DEUS UNO e TRINO. Este o Mistrio da SANTSSIMA TRINDADE, que se refere a natureza mais ntima de DEUS e portanto, fora de alcance ao conhecimento humano.

Quem est em evidncia no Antigo Testamento DEUS PAI, revelando a grandeza de um amor ilimitado em comunho com o FILHO e inspirado pelo ESPRITO SANTO.

No Novo Testamento quem atua em primeiro plano JESUS, DEUS FILHO feito Homem pela Vontade do SANTO PAI e a豫o do ESPRITO SANTO. Depois da Ressurrei豫o de CRISTO e seu retorno ao seio do PAI ETERNO, fica em evidncia o ESPRITO SANTO, que pela Vontade do PAI e do FILHO, permanece conosco, estimulando, ajudando e propiciando o retorno da humanidade Casa do PAI ETERNO, de onde procede a alma de todas as gera寤es.

A revela豫o do Mistrio Divino nos deixa perceber que a SANTSSIMA TRINDADE se manifestou para combater e eliminar o pecado no mundo, propiciando a salva豫o definitiva a todas as pessoas de boa vontade, a fim de que vivam em plenitude aqui na Terra e alcancem a Vida Eterna no Cu.

Todavia, o maravilhoso Plano Divino s se realizar adequadamente em cada criatura, se houver a necessria e decidida participa豫o das pessoas, no permitindo que o mal ocupe e se enraze no cora豫o, e que elas, cultivem com firmeza e disposi豫o o Mandamento do Amor: "Amai-vos uns aos outros como EU vos amei" (Jo 15,12) . Porque quem ama de fato, procura organizar e harmonizar a sua existncia, a fim de manter a paz e tranquilidade espiritual. V em seu pai, no irmo, na me, na esposa, no marido, nos amigos e at nas pessoas desconhecidas, a imagem do prprio DEUS, um irmo em CRISTO, um outro "patriota-missionrio" , como somos verdadeiramente, todos ns que viemos da "terra das Trs Pessoas Divinas" para cumprirmos a misso de nossa existncia. Quando ela estiver concluda receberemos o chamado Divino e retornaremos definitivamente "Ptria Trinitria" , para usufruirmos as delcias e o esplendor que est reservado aos filhos que amam o SENHOR.

 

Prxima Pgina

Pgina Anterior

Retorna ao ndice