REVELAÇÕES E ANÚNCIOS

DIVINOS - 1

Santa Brígida manteve um permanente contato com JESUS e a VIRGEM MARIA, que lhe favoreceram com notáveis Visões e Revelações muito especiais, para que ela as divulgasse ao mundo, deixando a humanidade conhecer diretamente, os ensinamentos e as recomendações de DEUS em benefício de todos os seus filhos. Assim sendo, a seguir é apresentada algumas das centenas de manifestações que se encontram descritas nos livros da Santa e que revelam a grandeza do Amor de DEUS e de NOSSA MÃE SANTÍSSIMA, que amorosamente buscam a salvação de todos os seus filhos.

Palavras de CRISTO à sua esposa (Santa Brígida) sobre a maneira e respeito com que deve conduzir a oração, e sobre três classes de pessoas que servem a DEUS no mundo.

Livro 1 - Capítulo 14

Sou teu DEUS, o que foi pregado na cruz, verdadeiro DEUS e Homem em Uma Única Pessoa Divina, e que está presente todos os dias nas mãos do sacerdote. Quando ME ofereces uma oração, termine-a sempre com o desejo “de que se faça a Minha Vontade e não a tua”. Quando rezas por alguém que já está condenado não te escuto. Algumas vezes não te ouço se desejas algo que possa ir contra a tua salvação. É por isso, necessário “que submetas tua vontade à Minha”, porque como EU sei todas as coisas, não te permito nada mais do que te seja benéfico. Há muitos que não rezam com a intenção correta e é por isso que não merecem ser atendidos. Há três tipos de pessoas que ME servem neste mundo.

Os primeiros são os que crêem que sou DEUS e o provedor de todas as coisas, que tem poder sobre tudo. Estes ME servem com a intenção de conseguir bens e honras temporais, mas as coisas do Céu não lhes importam e até estão dispostos a perdê-las para obter os bens presentes. O êxito mundano se ajusta completamente à sua medida, segundo os seus desejos. Já que perderam os bens eternos, EU lhes compenso com consolos temporais por qualquer bom serviço que ME façam, pagando-lhes até o ultimo centavo e até o ultimo ponto.

Os segundos são os que crêem que sou DEUS Onipotente e Juiz severo, mas que ME servem por medo do castigo e não por amor a gloria celestial. Se não ME temessem não ME serviriam.

Os terceiros são os que crêem que Sou o CRIADOR de todas as coisas, o DEUS verdadeiro e crêem que Sou justo e misericordioso. Estes não ME servem por medo do castigo, mas por amor divino e caridade. Prefeririam suportar qualquer castigo, por duro que fosse a ME ofender. Estes merecem verdadeiramente ser escutados quando rezam, pois sua vontade coincide com a Minha Vontade. O primeiro tipo de servos nunca sairá do castigo nem chegará a ver o Meu Rosto, e o segundo, não será tão castigado, mas também não chegará a ver o Meu Rosto, a não ser que corrija seu temor mediante a penitência. Assim, os terceiros são os filhos queridos que sabem amar a DEUS e serão recompensados com a felicidade eterna.

 

 

Como a esposa (Santa Brígida) viu um santo falando com DEUS sobre uma mulher que havia sido terrivelmente afligida pelo demônio e que depois se converteu graças às orações e intervenção da gloriosa VIRGEM MARIA.

Livro 1 – Capítulo 16

A esposa (Santa Brígida) viu que um dos Santos (no Céu) dizia a DEUS: “Porque o demônio está afligindo a alma desta mulher que TU redimiste com TEU Sangue”? O demônio contestou de imediato dizendo: “Porque ela é minha por direito”. O SENHOR questionou: “Com que direito ela é tua”? O demônio lhe respondeu: “Há dois caminhos. Um que conduz ao Céu e outro ao inferno. Quando ela se viu frente a esses dois caminhos, sua consciência e razão lhe disseram que escolhesse o meu caminho. Como tinha livre vontade para escolher o caminho de seu agrado, pensou que seria mais vantajoso dirigir sua vontade para o pecado, e assim, começou a caminhar por minha trilha. Depois, eu a enganei com três vícios: a gula, a cobiça pelo dinheiro e a luxúria. Agora habito o seu ventre e em sua natureza. Tenho-a presa por cinco mãos. Com uma mão lhe fecho os olhos para que não veja as coisas espirituais. Com a segunda, sujeito as suas mãos de forma que não possa fazer nenhuma boa obra. Com a terceira lhe sustenho os pés, de maneira que não caminhe para a bondade. Com a quarta mão, sujeito o seu intelecto para que não se envergonhe de pecar e, com a quinta lhe prendo o coração para que não sinta contrição nenhuma”. A bendita VIRGEM MARIA disse então ao seu FILHO: “Meu JESUS, faça com que ele diga somente a verdade sobre o que eu quero lhe perguntar.” O FILHO respondeu: “TU és Minha MÃE, és a Rainha do Céu, és a Mãe da Misericórdia, o Consolo das almas do Purgatório, a Alegria dos que peregrinam pelo mundo, a Soberana dos Anjos, a Criatura mais excelente diante de DEUS. TU também, Minha MÃE, és Soberana sobre o demônio. Ordena tu mesma a este demônio, e ele te dirá o que quiseres”. A bendita VIRGEM então perguntou ao demônio: “Diga-me, Satanás, que intenção tinha aquela mulher antes de entrar na Igreja”? Satanás lhe respondeu: “Tomou a resolução de não voltar a pecar”.

E a VIRGEM MARIA lhe disse: “Embora sua intenção anterior a conduzisse ao inferno, diga-me, em que direção aponta sua atual intenção de afastar-se do pecado?” O demônio com raiva lhe respondeu: “A intenção de abster-se de pecar a conduz ao Céu”. A Virgem Maria disse: “Como tu entendeste que era teu direito afastá-la do caminho da Santa Igreja devido a sua intenção anterior, agora é questão de justiça ela ser conduzida de volta a Igreja, dada a sua presente intenção. Por isso demônio, eu vou fazer outra pergunta: Diga-me, que intenção ela tem em seu atual estado de consciência?” O demônio lhe respondeu: “Em sua mente está pesarosamente contrita e arrependida, chorando por tudo o que fez. Decidiu nunca mais cometer pecados semelhantes e emendar-se em tudo o que puder”. A VIRGEM, então, perguntou ao demônio: “Poderia me dizer se os três pecados de luxúria, gula e cobiça podem existir num coração junto com as três boas resoluções de contrição, arrependimento e propósito de emenda que ela manifestou?” O demônio respondeu: “Não”. E a bendita VIRGEM disse: “Me dirás então, quais resoluções têm que retroceder e sair de seu coração, as três virtudes ou os três vícios, que, segundo tu, todos juntos não podem ocupar o mesmo lugar ao mesmo tempo?” O demônio falou resmungando: “Digo que os pecados”. E a VIRGEM então disse: “Dessa forma, o caminho do inferno está fechado para ela e o caminho do Céu está aberto”. De novo, a bendita VIRGEM MARIA inquiriu ao demônio: “Diga-me, se um ladrão arrombar as portas da esposa e quiser violá-la, que teria que fazer o Esposo?” Satanás respondeu: “Se o Esposo é bom e valente, deve defendê-la arriscando a sua vida por ela.” Então, a VIRGEM disse: “Tu és o ladrão malvado. Esta alma é a esposa de meu FILHO, que a redimiu com o seu próprio Sangue. Tu a corrompeste e a atacaste à força. Portanto, e posto que o meu FILHO é o Esposo e SENHOR da alma dela, retira-te de sua presença”.

EXPLICAÇÃO

Esta mulher era uma prostituta, que depois de se arrepender estava quase voltando ao mundo do pecado, porque o demônio a molestava dia e noite, tanto que visivelmente pressionava até os seus olhos e, diante de muitos a arrastava fora de sua cama. Então, na presença de testemunhas fiéis, Santa Brígida disse abertamente: “Saia, demônio, já tens vexado bastante a esta criatura de DEUS”. Depois de dizer isso, a mulher se aquietou por meia hora, com os olhos fixos no solo e, depois se levantou e disse: “Na verdade eu vi o demônio numa forma abominável saindo pela janela e ouvi sua voz que me dizia”: “Mulher, verdadeiramente estás livre”. Desde esse momento, esta mulher, venceu toda a sua impaciência, cessaram os seus sórdidos pensamentos e veio a descansar numa boa morte.

 

 

Palavras do SENHOR à esposa (Sta. Brígida) descrevendo como foi julgado um homem no tribunal de DEUS e sobre a terrível sentença ditada sobre ele por DEUS e por todos os Santos.

Livro 1 - Capítulo 28

A esposa viu, DEUS estava enojado e falou: “EU Sou sem princípio e fim. Não há mudança em MIM nem de anos nem de dias. Todo o tempo do mundo é como uma só hora ou um momento para MIM. Todos aqueles que ME vêem, contemplam e entende tudo o que existe em MIM num instante. Entretanto, esposa minha (Santa Brígida) , pelo fato de estar num corpo material, não podes perceber nem conhecer como um espírito conhece. Por isso, para teu bem, te explicarei o que sucedeu. EU estava, por assim dizer, sentado no tribunal para julgar, porque todo juízo ME foi dado, e certa pessoa veio a ser julgada no tribunal". A voz do PAI ressoou contra o réu e disse: “Mais te valeria não ter nascido”. Não era porque DEUS tivesse se arrependido de tê-lo criado, e sim como qualquer um que sentisse preocupação pela pessoa e se compadecesse dela. A voz do FILHO confirmou: “EU derramei o Meu Sangue por ti e aceitei uma duríssima penitência, mas tu te afastaste completamente como se isso não tivesse nada a ver contigo”. A voz do ESPÍRITO disse: “EU busquei por todos os rincões de seu coração para ver se poderia encontrar algo de ternura e caridade nele, mas tu és tão frio como o gelo e tão duro como uma pedra. Este homem não ME diz respeito”. Estas três vozes não se ouviram como se fossem três deuses, mas foram ditas audíveis para ti, Minha Esposa (Santa Brígida), porque de outra forma não terias podido compreender este mistério.

As três vozes, do PAI, FILHO e ESPÍRITO SANTO, se transformaram imediatamente em uma só voz que retumbou e disse: “De nenhuma maneira merece o reino dos Céus!” A MÃE da Misericórdia permaneceu em silêncio e não moveu a sua misericórdia, pois o réu não era digno dela. Todos os Santos clamaram a uma voz dizendo: “É justiça Divina para ele, ser perpetuamente exilado de seu Reino e de seu gozo”. Todos no Purgatório disseram: “Não temos uma penitência suficientemente dura para castigar teus pecados. Terás que suportar maiores tormentos e, portanto, tens que ser afastado de nós”. Então, o mesmo pecador exclamou com uma voz horrenda: “Ai, ai da semente que fecundou no ventre de minha mãe e da qual eu me formei!” Pela segunda vez exclamou: “Maldita a hora em que minha alma se uniu a meu corpo e maldito aquele que me deu um corpo e uma alma!” Voltou a clamar uma terceira vez: “Maldita a hora em que sai do ventre de minha mãe!” Então chegaram três vozes horríveis do inferno que lhe diziam: “Vem conosco, alma maldita, como o líquido que se derrama até a morte perpétua e vive sem fim!”“Vem, alma maldita, vazia por sua maldade! Nenhum de nós deixará de encher-te com o seu próprio mal e dor!” “Vem, alma maldita, pesada como uma pedra que se afunda e nunca alcança o fundo onde descansar! Descerás mais baixo que nós e não pararás até que não tenha chegado ao mais profundo do abismo”.

Então, o SENHOR disse: “Como um homem com várias esposas, que vê cair uma e se separa dela, se volta para as outras que permanecem firmes e se alegra com elas, assim EU separei dele o Meu Rosto e Minha misericórdia, e ME volto para os que ME servem e ME obedecem e ME alegro com eles. Portanto, entenda, agora que sabes da queda e desgraça dele, serve-ME com maior sinceridade do que ele, em proporção à maior misericórdia que te dispenso! Aparte-te do mundo e de seus desejos! Por acaso EU aceitei tão amarga Paixão pela glória do mundo? Ou porque não podia consumá-la em menos tempo e com mais facilidade? Claro que podia! Contudo, a justiça exigia isso, que acontecesse como foi. Como a humanidade pecou em todos e cada um de seus membros, tive que fazer cumprir a justiça em todos e cada um dos MEUS membros. Por isso, DEUS, em sua compaixão pela humanidade e em seu ardente amor para com a VIRGEM, recebeu Dela uma Natureza Humana através da qual EU pude suportar todo o castigo ao qual estaria fadada a humanidade. Ao haver tomado sobre MIM o teu castigo (humanidade), por amor, permaneça firme na verdadeira humildade, como os Meus servos, assim, não terás nada de que te envergonhar nem nada que temer mais que a MIM! Guarda tuas palavras de tal forma que, se essa fosse a Minha Vontade, tu não falarias. Não te entristeças pelas coisas temporais que tão somente são passageiras. EU posso fazer a quem EU quiser, rico ou pobre. Assim, pois, esposa minha (Santa Brígida) , deposita toda a tua esperança em MIM!”

EXPLICAÇÃO

Esse homem era um cônego de nobre reputação e subdiácono que, havendo obtido uma falsa dispensa, quis se casar com uma rica donzela. Contudo, foi surpreendido por uma morte repentina e não conseguiu o seu objetivo. E morrendo foi condenado ao inferno.

 

Palavras da VIRGEM MARIA à filha (Santa Brígida) sobre duas senhoras, uma que se chamava “Soberba” e a outra “Humildade”, simbolizando esta última a mais doce das Virgens e sobre como a VIRGEM MARIA vem reunir-se com aqueles que a amam na hora de sua morte.

Livro 1 - Capítulo 29

A MÃE DE DEUS se dirigiu à Esposa (Santa Brígida) de seu FILHO dizendo-lhe: “Há duas senhoras. Uma delas não tem um nome especial, mas não merece nome; a outra é a humildade e se chama MARIA. O demônio é o mestre da primeira senhora porque tem domínio sobre ela. Um de seus cavaleiros disse a essa dama”: “Senhora, eu estou disposto a fazer tudo por você, se puder copular contigo ao menos uma vez. Sou poderoso, forte e tenho um coração valente, não temo nada e estou até disposto a morrer por ti”. Ela lhe respondeu: “Servo meu, seu amor é grande. Mas, eu estou sentada em um trono muito alto, e tenho somente este trono e há três portas entre nós. A primeira porta é tão estreita e apertada, que tudo que um homem estiver vestindo enroscará nela e rasgará totalmente. A segunda é tão afiada que corta até as fibras nervosas. A terceira arde com um fogo tal que ninguém escapa de seu ardor sem ficar derretido como o cobre. Ademais, estou sentada tão alto que qualquer um que queira sentar-se comigo, pelo fato de ter eu somente um trono, cairia nas profundezas do caos que está abaixo de mim”. O demônio lhe respondeu: “Darei a minha vida por ti, pois uma queda não representa nada para mim”.

Esta senhora é a Soberba e qualquer um que quiser chegar a ela passará, por três portas. Pela primeira porta entram aqueles, que dão tudo o que têm para receber honras humanas, e se não têm nada para dar, mudam toda a sua vontade e vivem com orgulho, colhendo elogios por todos os meios. Pela segunda porta entra a pessoa que dedica todo o seu trabalho e tudo o que faz e todos os seus pensamentos e toda a sua força, para satisfazer a sua Soberba. E ainda assim, se tiver que deixar que firam o seu corpo para conseguir honras e riquezas, o faria com gosto e prazer. Pela terceira porta entra a pessoa que nunca se cala e nem se aquieta e sim arde como fogo, com o pensamento fixo de como conseguir alguma honra mundana ou posição de destaque, para satisfazer a sua Soberba. Mas quando obtém o que deseja, não pode permanecer muito tempo no mesmo estado e termina caindo miseravelmente. Apesar de tudo isso, a Soberba ainda permanece no mundo.

"Eu sou", disse MARIA, "A mais Humilde, estou sentada em um trono espaçoso, sobre Mim não há sol, nem lua, nem estrelas e nem sequer nuvens, senão um brilho inconcebível e uma calma maravilhosa da clara beleza da Majestade de DEUS. Abaixo de Mim não há nem terra e nem pedra, somente um incomparável descanso na bondade do CRIADOR. Perto de Mim não há nem barreiras nem paredes, senão a gloriosa corte dos Anjos e das almas santas. Ainda que, esteja sentada num trono sublime, ouço os Meus amigos que vivem na Terra, entregando-ME diariamente os seus suspiros e as suas lágrimas. Vejo suas lutas e sua eficácia, que é bem maior do que aqueles que lutam pela senhora Soberba. Por isso, os visitarei e os reunirei Comigo em Meu Trono, porque este é espaçoso e há lugar para todos. Entretanto, ainda não podem vir e sentar-se Comigo porque existem dois muros que nos separam, através dos quais os conduzirei confiadamente para que ultrapassem e possam chegar até Meu Trono. O primeiro muro é estreito e é o próprio mundo. Os Meus servos e amigos, que souberam cativar a Minha amizade no mundo, sabem ultrapassá-lo deixando o mundo com suas coisas e receberão a consolação de Minha parte. O segundo muro é a morte. Por isso, Eu, a sua mais querida Senhora e Mãe irei comparecer para Me unir com eles, com Meus amigos, na sua morte, de maneira que, mesmo na morte, possam sentir o Meu refrigério e consolo. E assim, irei reuni-los Comigo no trono do gozo celestial de maneira que, na alegria sem fim, possam descansar eternamente nos braços do amor perpétuo e da glória eterna".

 

Próxima Página

Página Anterior

Retorno ao Índice