O PRIMEIRO AMOR

 

O profeta Jeremias em seu livro escreve as palavras do PAI ETERNO, atestando que a criação nasceu de uma inspiração amorosa Divina, num mesmo instante, porque DEUS amou-nos todos de uma só vez. O nascimento para a vida ocorre num desdobramento lento e criterioso, ao longo dos séculos, de conformidade com as leis da natureza que ELE Mesmo criou, obedecendo uma determinada cronologia que ordena e disciplina, sem contudo interferir na liberdade individual que concede às suas criaturas:

"Antes que no seio ( de sua mãe ) fosses formado, EU já te conhecia; antes de teu nascimento, EU já te havia consagrado, e te havia designado profeta das nações". (Jr 1,4-5)

Esta citação propõe que no momento da criação, quando DEUS fez o primeiro homem e a primeira mulher, a humanidade de todas as gerações também estavam presentes no Coração do CRIADOR. E naquele mesmo instante, ELE conheceu cada um, amou-nos do mesmo modo com a grandeza de um amor sem limites, deu-nos um nome e concedeu-nos uma missão, a fim de que utilizando com inteligência e amor os dons que nos concedeu, habilitássemos a receber a recompensa eterna que prazerosamente quer dar à todos os seus filhos. E procedeu assim, porque DEUS é misericórdia eterna e bondade infinita, suas Obras e decisões são completas e acabadas, não necessitam de retoques e nem de emendas.

Dessa forma, vendo também que as forças do mal empregariam todos os recursos, seduzindo e construindo poderosas trincheiras no interior das pessoas, para impedi-las de realizar o projeto de vida e buscar a santificação pessoal, na plenitude dos tempos enviou-nos JESUS, o Seu Divino FILHO, que lavou a humanidade com seu Sangue Redentor e tirou-nos do reino das trevas e da ignorância de DEUS, deixando-nos ensinamentos, a sua admirável Obra e meios eficazes para a nossa conversão e salvação definitiva, transformando-nos em verdadeiros " Filhos de DEUS".

São João em sua primeira carta, realça a grandeza da atitude do PAI ETERNO:

"Considerai com que amor nos amou o PAI, para que sejamos chamados filhos de DEUS. E nós o somos de fato". (1 Jo 3,1)

A imensidão do Amor de DEUS albergado no interior do Coração Divino, inundou a alma da humanidade marcando-nos indelevelmente com sua desmedida ternura, de tal forma, que cada pessoa, guarda no coração uma lembrança do PAI ETERNO, da grandeza de um carinho ilimitado e inesgotável, assim como da beleza do CRIADOR e da indescritível solenidade daquele sagrado momento da criação, quando ELE pleno de júbilo se enterneceu em gerar "vida". As criaturas sensibilizadas gravam no recôndito mais profundo da mente, misteriosamente e de maneira oculta, a maravilhosa lembrança daquele instante, um acontecimento único e deslumbrante, que será inesquecivel e recordado como o Primeiro e Sagrado Amor de nossa existência, muito embora, não temos meios e nem recursos para remover as cortinas dos séculos e defrontar-nos mentalmente, com plena clareza e perfeição, daquela visão magnífica e daquele momento sublime e singular.

Assim, em face da preciosa oferta Divina, concedendo-nos o dom da vida, configura a necessidade da humanidade exercitar ao longo da existência, um digno e irrepreensível comportamento moral, que será a nossa resposta decidida e efetiva de concordância e plena aceitação de nosso Primeiro Amor.

Todavia, em face da liberdade que o CRIADOR nos deu estar sendo usada de modo distorcido e defeituoso pela humanidade, "aquele precioso amor", especialíssimo Dom Divino, cresceu na grande maioria das criaturas de maneira desordenada, incorreta e deformado, pela falta de instrução e ausência de uma orientação adequada e eficaz.

JESUS falou:

"EU vim para que tenham a vida e a tenham em abundância". (Jo 10,10)

Por essa razão, ao longo da caminhada existencial, o coração da humanidade precisa ser trabalhado, a fim de ser orientado pelo caminho do direito, da justiça e do amor fraterno, porque também só assim será estimulado o bom-senso e discernimento das pessoas, permitindo-lhes perceber no cotidiano a presença misericordiosa do SENHOR, que proporciona a seus filhos: auxílio, força, coragem e proteção, para vencerem os obstáculos que surgem e seguirem no cumprimento da missão e na busca do polimento espiritual, melhorando as qualidades pessoais e apurando as virtudes, através das dificuldades e dos acontecimentos de cada dia.

O comodismo, a indiferença, o desconhecimento ou a falta de empenho na busca da verdade, conduzem as pessoas a um afastamento de DEUS, que por certo produzirá desapontamento e arrancará no Coração do SENHOR um grito de nostalgia, conforme a inspiração de São João Evangelista no Apocalipse:

"Arrefeceste o teu Primeiro Amor"? (Ap 2,4)

Entretanto, alguém poderia questionar: mas como nós humanos, podemos retribuir e demonstrar de modo evidente um sincero e fervoroso amor ao CRIADOR?

São João Evangelista apresenta-nos a resposta de JESUS, quando ELE foi interrogado por Tomé e Felipe. O diálogo foi assim:

Disse JESUS: "EU SOU o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém vem ao PAI a não ser por MIM. Se ME conheceis, também conhecereis a Meu PAI. Desde agora O conheceis e O vistes".

Felipe lhe diz: "SENHOR, mostra-nos o PAI e isto nos basta!" Respondeu-lhe JESUS: "Há tanto tempo estou convosco e tu não ME conheceste, Felipe ? Quem ME viu, viu o PAI. Como podes dizer: Mostra-nos o PAI ? Não crês que estou no PAI e o PAI está em MIM ? As palavras que vos digo, não as digo por MIM Mesmo, mas o PAI, que permanece em MIM, realiza Suas Obras. Crede-ME: EU estou no PAI e o PAI em MIM. Crede-o, ao menos, por causa destas obras". (das obras que EU faço) (Jo 14,6-11)

JESUS nos ensina que ELE e o PAI são UM em plena comunhão de amor. Quem aceitar JESUS estará acolhendo o CRIADOR. Por isso, o DEUS ETERNO quer o reconhecimento filial dos fieis, mandando que todos sigam JESUS, o FILHO DE DEUS, porque ELE é o Caminho que conduz ao PAI ETERNO, é a Verdade e a Vida. Quanto mais nos unirmos a JESUS através dos sacramentos, das obras e orações, estaremos mais unidos ao CRIADOR, seremos acompanhados e impulsionados pelo ESPÍRITO DO SENHOR , que nos proporcionará as Divinas alegrias e evidenciará em nossa vida, em função da intensidade e grandeza da fé, o inefável Mistério do PAI, do FILHO e do ESPÍRITO SANTO.

Esta afirmação se fundamenta na realidade de que o Mistério da Santíssima Trindade representa a origem e o fim da mensagem cristã, e por conseguinte, a realidade que ele encerra deve ser idêntica ao "evento CRISTO", isto é, deve ser representada pela Pessoa, Mensagem, Ensinamentos e pela Obra do SENHOR JESUS.

Por todas estas razões, amar o PAI ETERNO acima de todas as coisas, é ser reconhecido a Quem nos criou e nos deu a vida, que colocou o ESPÍRITO SANTO em nosso coração enchendo-nos de virtudes e de amor, que mandou JESUS seu Divino FILHO para nos redimir, tirar-nos da ignorância de DEUS e deixar-nos meios eficazes para alcançarmos a vida eterna. Entretanto, é necessário discernir, só alcançaremos o PAI através do FILHO. Assim, só conseguiremos demonstrar a grandeza de nosso amor ao PAI ETERNO através dos meios que JESUS, colocou a nossa disposição.

Dessa forma, a Sagrada Escritura nos faz compreender que a busca para reencontrar o Primeiro Amor, deverá nascer no interior do coração e não na curiosidade da mente, deverá crescer e desenvolver cada dia, através do esforço de exercitar em plenitude o Mandamento do Amor, vivendo com segurança e intensidade as graças que recebemos ao nascer e aquelas que alcançamos por meio dos Sacramentos e das Obras, porque será somente realizando este esforço é que perceberemos o PAI ETERNO, o FILHO e o ESPÍRITO SANTO em nossa vida e sentiremos o bem e o consolo que ELES derramam em nossa alma.

Próxima Página

Página Anterior

Retorna ao Índice