“HASSELT, Bélgica, ano 1317"

Em 1317, um Padre de Viversel que ajudava na cidade de Lummen, foi solicitado a levar o Santo Viático (Sagrada Comunhão ministrada aos doentes e idosos) a um homem da aldeia que estava enfermo. Levando um Cibório com uma Hóstia Consagrada, o padre entrou na casa e colocou o utensílio sagrado encima de uma mesa na Sala, enquanto foi conversar com a família e o doente, no quarto.

Outro homem que estava em pecado mortal, provavelmente algum parente da família, passando pela Sala e vendo o Cibório ficou cheio de curiosidade, removeu a tampa de cobertura e segurou na Hóstia Consagrada. Imediatamente a Hóstia começou a sangrar. Assustado, jogou-a dentro do Utensílio Sagrado e saiu apressado. Quando o padre veio pegar o Cibório para ministrar a Comunhão ao enfermo, o encontrou aberto! Surpreso, observou também que a Hóstia estava com manchas de sangue. Então ficou indeciso sobre o que devia fazer... Entretanto logo a seguir, decidiu procurar o senhor Bispo e levou o fato ao seu conhecimento. O pastor percebeu que se tratava de uma Manifestação Eucarística Sobrenatural e por essa razão, o aconselhou a levar a Hóstia Milagrosa a um Sacrário na Igreja das freiras Cisterciense em Herkenrode, aproximadamente 50 quilômetros de distancia do local onde estavam.

O mencionado Convento que está perto de Liege, na Bélgica, foi fundado no século XII e pertence às freiras Cistercienses. Por causa da reputação venerável e repleta de santidade da comunidade religiosa, o senhor Bispo escolheu aquele local, porque estava convencido de que lá seria o lugar mais adequado para acolher a Hóstia Milagrosa.

O sacerdote viajou para o Convento das Irmãs e assim que chegou, descreveu o acontecido. A seguir, acompanhado das Irmãs e em procissão entraram na Igreja e aproximaram-se do altar. Quando abriu o Sacrário para colocar o Cibório com a Hóstia Milagrosa, teve uma visão de CRISTO com a coroa de espinhos, que também foi visto pelas pessoas presentes. NOSSO SENHOR parecia dar um sinal especial de que a vontade DELE era permanecer ali. Por causa desta visão e da presença da Hóstia Milagrosa, Herkenrode tornou-se um dos lugares mais famosos de peregrinação na Bélgica.

A Sagrada Hóstia permaneceu na Igreja em Herkenrode até 1796, época da Revolução francesa, quando as freiras foram expulsas do Convento. Naquele tempo terrível a Hóstia foi confiada aos cuidados de diferentes famílias. Conta-se que foi até acomodada numa caixa metálica comum e embutida na parede da cozinha de uma casa.

Em 1804, a Hóstia foi removida do esconderijo e levada em solene procissão para a Catedral de São Quintino em Hasselt. O mencionado Templo possui uma bela arquitetura gótica e foi construído no século XIV. Em suas paredes contém pinturas impressionantes dos séculos XVI e XVII que recordam os eventos da história do Milagre. Mas muito mais importante que a construção e a beleza da Catedral de Hasselt, é o Relicário com a Hóstia Sagrada do notável Milagre Eucarístico ocorrido em 1317 que ela abriga, em esplêndida condição de conservação, sem a utilização de qualquer ingrediente químico. O Relicário foi colocado num Altar especial, que está permanentemente aberto a veneração dos fieis.

 

 

“DAROCA, Espanha, ano 1239”

Na cidade de Daroca, localizada no nordeste da Espanha, os habitantes se orgulham de seu passado histórico e de sua importância durante os tempos romanos. É protegida por muros altos em todos os lados e possui mais de cem torres para vigilância e observação. Está a 75 quilômetros de Zaragoza e foi escolhida pelo SENHOR para uma notável Manifestação Sobrenatural Eucarística.

O passado da cidade ainda parece vivo mostrando muros e castelos medievais, torres, praças e ruas conforme o traçado romano daquela época. Nas igrejas e museus pode ser encontrada a inestimável arte romana e dos mouros, observando-se também a predominância do estilo gótico e a influência do Renascimento.

Todavia, embora tenha toda esta riqueza histórica, o maior tesouro de Daroca é a relíquia dos "Sagrados Corporais", que data de 1239, quando aconteceu o milagre. Por aquele ano, quando a cidade de Valencia estava sob o reinado do Rei católico Dom Jaime, o rei sarraceno Zaen Moro decidiu tomar a cidade com as tropas que haviam chegado do norte da África. O rei católico vendo as intenções do sarraceno, e sabendo que a força militar espanhola era menor, ordenou oferecer uma Santa Missa ao ar livre, e encorajou os soldados e oficiais, a receberem a Sagrada Eucaristia. O Rei Jaime assegurou aos militares que se eles fossem fortalecidos espiritualmente com o Corpo do SENHOR, poderiam lutar sem medo porque receberiam a proteção e a ajuda Divina.

Assim que terminou a Consagração, os Sarracenos fizeram um ataque de surpresa. O sacerdote que celebrava a Santa Missa ficou confuso e aterrorizado com o estrondo dos canhões, dos tiros, gritos e toda a confusão que se formou. Por isso, ao invés de consumir as seis Hóstia que foram Consagradas, as colocou por segurança entre dois Corporais. Rapidamente dobrou os Corporais e desceu do altar improvisado, colocando os Corporais com as Hóstias, debaixo de uma pedra a uma pequena distância.

Num intervalo da batalha, quando os sarracenos se retiraram para agrupar as suas forças, os soldados católicos se ajoelharam diante do altar para dar graças a DEUS por aquela primeira vitória alcançada. Os comandantes solicitaram ao padre Mateo Martínez que lhes ministrasse a Sagrada Comunhão, como testemunho de agradecimento e ação de graças a DEUS, por aquela primeira vitória alcançada. Sem perca de tempo, o padre encontrou os Corporais e abriu para verificar se estava tudo bem com as Hóstias Consagradas. Ficou perplexo com o que viu! As seis Hóstias tinham desaparecido e em seu lugar ficaram seis manchas do precioso sangue do SENHOR. Tinha acontecido uma notável Manifestação Milagrosa. Apressado, o sacerdote subiu ao altar improvisado e mostrou aos militares o Corporal com as manchas do Sangue de JESUS, para reverência e veneração de todos.

Eles rezaram e acolheram aquele Milagre como um esplendido sinal de DEUS, que lhes dava forças para expulsar os hereges sarracenos. Voltaram ao campo de batalha contra os Mouros e recapturaram o Castelo de Chio, fazendo com que eles fugissem dalí.

O mérito desta batalha triunfal foi concedido integralmente ao Milagre Eucarístico, realizado pelo SENHOR.

A notícia do milagre circulou ligeira e inclusive despertou ciúmes nos habitantes das cidades vizinhas. Como a celebração da Santa Missa foi realizada no campo, bem distante da cidade de Valência, as três cidades: Teruel, Calatayud e Daroca, reivindicaram que o milagre havia acontecido dentro de suas jurisdições territoriais. Todas as três queriam ficar com a custódia dos Santos Corporais. O assunto foi debatido durante muito tempo e depois de muitas palavras, decidiram que a disputa seria resolvida através de sorteio. Embora fosse um critério incomum, foi o escolhido de comum acordo entre as partes. Através da sorte seria indicada a cidade que ficaria na posse dos Panos Sagrados. Concordaram ainda, que os Corporais, devidamente acondicionados e protegidos, seriam colocados sobre uma mula (era um transporte normal naquela época) e o animal deveria escolher qual a direção e o caminho a seguir. E assim foi feito! A mula depois de vaguear e fazer duas pequenas voltas encaminhou-se para o portão da cidade de Daroca. Então Daroca foi a cidade escolhida.

Os habitantes felizes com o desfecho providenciaram a construção de uma Igreja, para ser a depositária dos preciosos "Panos Sagrados". Num altar especial colocaram os dois Corporais dentro de molduras com vidros protetores, a fim de que os fieis pudessem apreciar e venerar com segurança, as seis manchas com o Sagrado Sangue do SENHOR. Atualmente a Igreja em Daroca onde estão os "Corporais Sagrados" é denominada, Igreja de Santa Maria Colegiada, ou simplesmente “A Colegiada”. Nas paredes foram pintadas cenas admiráveis do milagre, e junto ao altar, existem muitas imagens e estátuas feitas de alabastro, multicoloridas, no estilo medieval.

 

 

“FAVERNEY, França, ano 1600”

O Milagre Eucarístico que aconteceu em Faverney, na França consistiu numa notável demonstração sobrenatural de superação da lei da gravidade.

Faverney está localizado a 20 quilômetros de Vesoul, no Departamento de Haute Saône, Região Administrativa de "Franche-Comtè", distante 68,7 quilômetros de Besançon.

A Abadia onde se encontra a Igreja em que aconteceu o milagre foi fundada por São Gude no século VIII e pertencia a Ordem eclesiástica de São Benedito. O Templo foi colocado sob a proteção de Nossa Senhora de La Blanche, representada por uma pequena imagem colocada à direita do Altar Principal, na Capela do Coro. Desde a sua fundação, a Abadia estava entregue as freiras, mas a partir de 1132, os monges as substituíram.

No inicio de 1600 a vida religiosa do povo não era tão fervorosa o quanto deveria ser. O difícil aparecimento de vocações revelava a falta de estímulo espiritual da comunidade leiga. Por outro lado, viviam na Abadia somente seis monges e dois noviços. Eles eram os responsáveis para manter a fé das pessoas, debilitada pela terrível influência protestante. Com este objetivo, os monges procuravam sempre, realizar todas as cerimônias tradicionais constantes do calendário litúrgico, revestidas com a maior solenidade, objetivando despertar o fervor espiritual da população. Também cultivavam com interesse e frequência, a reza da Via Sacra, a reza do Terço ou Rosário e a adoração do Santíssimo Sacramento.

Para a celebração da Festa de Pentecostes em 1608, montaram um magnífico Altar de madeira próximo ao Portão de entrada do Coro, todo ele adornado com belíssimas flores. E de fato, a cerimônia religiosa realizada no domingo de Pentecostes foi bonita e participada por um grande número de fieis, que lotavam o templo. Ao anoitecer, os Monges fecharam as portas da Igreja e foram repousar, deixando duas lâmpadas com óleo para iluminar o Santíssimo Sacramento num Ostensório, que permaneceu exposto sobre o Altar.

No dia seguinte, segunda-feira 26 de Maio, quando o sacristão Don Garnier abriu as portas da Igreja, observou que havia muita fumaça e chamas em quantidade, que subiam por todos os lados do Altar. Apressou-se em avisar os Monges, que imediatamente se uniram aos leigos e com todo empenho procuraram salvar a Igreja, porque as chamas violentamente devoravam o Altar e ameaçavam se espalhar e consumir todo o templo. Um dos noviços chamado Hudelot, foi o primeiro a notar que o Ostensório com o Santíssimo Sacramento, elevou-se do Altar e ficou suspenso no ar e que as chamas se inclinavam e não tocavam nele. Estava acontecendo um notável milagre! As pessoas que estavam na Igreja ajudando a apagar o incêndio ao verem aquele fenômeno ficaram impressionadas e a notícia se espalhou depressa. Os habitantes do lugarejo, pessoas que residiam nas proximidades, gente de todas as idades vieram ligeiro a Igreja para ver o que estava acontecendo. Os Frades Capuchinhos de Vesoul ao tomarem conhecimento do fato, também se apressaram em vir observar e testemunhar o fenômeno que se mantinha. Mesmo tendo conseguido debelar e apagar o incêndio, o Milagre não cessou, o Ostensório com JESUS Sacramentado continuou flutuando no espaço. As pessoas que chegavam, ajoelhavam em demonstração de respeito, de temor e em sinal de adoração, diante do Ostensório suspenso no ar. Também diversos céticos que souberam da notícia chegaram mudos, sem palavras e sem argumentos e se aproximaram para constatar aquele notável milagre que acontecia.

Ao longo do dia e durante a noite os Monges não estabeleceram nenhuma restrição, e os curiosos puderam livremente visitar a Igreja e presenciar o fenômeno, que continuava do mesmo modo.

Na manhã de terça-feira, dia 27 de Maio, o Milagre permanecia. Vieram padres dos bairros circunvizinhos e de outras cidades e se organizaram para celebrar a Santa Missa em horários seguidos, enquanto o Ostensório se mantinha suspenso no ar. Na Santa Missa das 10 horas da manhã que foi celebrada pelo Padre Nicolas Aubry, Pároco de Menoux, no momento da Consagração as pessoas presenciaram que o Ostensório mudou a sua posição e desceu suavemente sobre aquele Altar improvisado, onde estava sendo celebrada a Santa Missa. NOSSO SENHOR determinava naquele momento o final do admirável Milagre Eucarístico, no qual a Sagrada Hóstia permaneceu dentro do Ostensório suspenso no ar durante 33 horas.

No dia 31 de Maio, uma investigação foi ordenada por Sua Excelência o senhor Arcebispo Ferdinand de Rye. Foram recolhidos cinquenta e quatro testemunhos de monges, padres, autoridades, homens e mulheres do povo. Em 30 de Julho de 1608, depois de estudar os testemunhos e o material colecionado durante a investigação, o senhor Arcebispo decidiu afirmar que havia acontecido de fato, um notável Milagre Eucarístico.

Examinando alguns detalhes da ocorrência, observamos:

O Altar era de madeira e foi quase que completamente reduzido a cinzas, com exceção dos pés. Também queimou totalmente a toalha de linho e o Corporal que estavam sobre a Mesa de Celebrações, assim como um dos lustres que decorava o Altar. Ele foi encontrado derretido pelo calor do fogo. Todavia o Ostensório que abrigava JESUS Sacramentado estava perfeito, misteriosamente preservado de qualquer dano. As duas Hóstias Consagradas que se encontravam dentro dele, permaneceram intactas. Também foram poupados e permaneceram sem nenhum dano quatro preciosidades que estavam dentro de um tubo cristalino preso ao Ostensório:
1 - uma relíquia de Santa Agatha;
2 - um pequeno pedaço de seda que protegia a relíquia;
3 - uma proclamação de indulgências pelo Santo Padre, o Papa;
4 - uma carta episcopal em que a cera do selo derreteu e correu sobre o pergaminho, sem, contudo alterar o texto.

54 pessoas testemunharam sobre o acontecimento sobrenatural, inclusive padres de outras Ordens Religiosas. Eles fizeram declarações sob juramento e assinaram um documento que ainda é conservado.

Como a Igreja possuía piso de madeira, eles disseram que a suspensão do Ostensório não foi afetada pelas vibrações das pessoas se movimentando ao redor para melhor observar o milagre, nem das pessoas que entravam e saiam do templo, assim como da atividade dos monges empenhados na imediata remoção do material queimado pelo fogo e da montagem de um altar provisório. Posteriormente uma pedra de mármore foi colocada ali para marcar o local do milagre. Nela estão cinzeladas as palavras "Lieu du Miracle" - "Lugar do Milagre".

Em dezembro de 1608, uma das duas Hóstias que estavam no Ostensório da suspensão milagrosa foi transferida solenemente para a cidade de Dole, que era a capital do município.

Durante a Revolução Francesa infelizmente o Ostensório do Milagre foi destruído, mas a Hóstia Consagrada foi preservada de qualquer dano por membros do conselho municipal de Faverney que a manteve escondida até passar o perigo. Depois, mandaram confeccionar outro magnífico Ostensório onde colocaram a mesma Sagrada Hóstia do Milagre. A Santa Partícula encontra-se em perfeito estado de conservação e disponível à veneração dos fieis na Igreja de Nossa Senhora de La Blanche.

 

 

“REGENSBURG, Alemanha, ano 1257”

Durante muitos anos havia em Regensburg (antigamente chamado Ratisbon) uma Capela entregue a proteção de São Salvador que tem uma história muito interessante relacionada com o Santíssimo Sacramento.

No dia 25 de Março de 1255, uma quinta-feira Santa, padre Dompfarrer von Ulrich Dornberg levou o Santíssimo Sacramento para diversos membros de sua paróquia que estavam doentes. Na trajetória tinha que atravessar um pequeno córrego chamado Bachgasse. Cuidadosamente colocou o pé numa prancha estreita de madeira que servia como ponte, para passar de um lado para o outro, mas deslizou e perdeu o equilíbrio, caindo de suas mãos o Cibório com as Hóstias Consagradas que se espalharam na margem do córrego. Foi com muita dificuldade que conseguiu recolher as Partículas Sagradas uma a uma, por causa da lama.

Os paroquianos quando souberam do acontecido, decidiram em sinal de reparação pelo desrespeito ao Santíssimo Sacramento, construir uma Capela no local onde as Hóstias Consagradas ficaram sujas de lama, ainda que o incidente não tenha sido intencional.

A construção de uma capela de madeira foi começada no mesmo dia e concluída três dias depois, ou seja, em 28 de março. O Bispo Albert de Regensburg denominou à pequena estrutura de madeira de Capela de São Salvador e a consagrou no dia 8 de setembro de 1255.

O famoso milagre que colocou Regensburg na História da Igreja aconteceu dois anos depois, exatamente nesta mesma Capela entregue a proteção de São Salvador.

Um padre cujo nome não é conhecido celebrava a Santa Missa na Capela, em todos os fins de semana, aos sábados e domingos.

Todavia ele tinha um sério problema íntimo, pois duvidava da Presença Real de JESUS na Sagrada Eucaristia. Havia ocasiões em que a crise da falta de fé aumentava tanto, que ele ficava desnorteado, sem rumo certo, celebrando a Santa Missa como se fosse um autômato, sem fé, sem esperança e sem estímulo.

Certo dia entrou na Capela para a celebração e se sentia meio fora do normal. Existia uma angústia em seu coração que colocava um sorriso sarcástico em seus lábios e acendia a desconfiança em seu espírito. E assim, sem nenhuma motivação iniciou a celebração da Santa Missa.

Diante do Altar tinha um Crucifixo grande onde JESUS Crucificado parecia estar vivo. Quando o sacerdote começou a Consagração, NOSSO SENHOR da Cruz estendeu a mão e retirou o Cálice das mãos dele! Com o susto do inesperado ele tremeu e recuou um passo, permanecendo estático e assustado, contemplando atentamente o SENHOR com o Cálice na mão. Uma força estranha percorreu todo o seu corpo, produzindo tremor e fraqueza nas pernas, fazendo com que ele se prostrasse com os joelhos no chão em sinal de profundo arrependimento, ao mesmo tempo em que as lágrimas desceram de seus olhos. Compreendeu a grandeza do pecado que cometeu e que, portanto, se tornava urgente e necessária a sua reconciliação com o SENHOR. Abaixou a cabeça e interiormente fez uma sincera súplica de perdão. Assim permaneceu por alguns minutos. Depois ficou olhando para JESUS... Até que percebeu, que ELE queria devolver-lhe o Cálice com o Sangue Redentor. Levantou-se e respeitosamente segurou o Cálice que o SENHOR deixou em suas mãos. As pessoas que participavam da Santa Missa ficaram impressionadas e comovidas, testemunharam todo o Milagre Eucarístico, que logo foi divulgado intensamente em todas as partes.

Após a celebração, o sacerdote respeitosamente beijou os pés do CRISTO Crucificado e deixou rapidamente o recinto. Nunca mais foi visto. Algumas pessoas disseram que ele entrou num Mosteiro em Ulms e lá permaneceu recluso até a sua morte.

Depois do milagre multidões de pessoas vieram visitar o famoso CRISTO da Capela de São Salvador. Com as doações reformaram totalmente a Capela reforçando a estrutura e edificando-a com pedras. Quando a concluíram no ano de 1260, mudaram o nome para “Kreuzkapelle”, palavra alemã que significa “Capela da Cruz” em honra ao Crucifixo Milagroso que nela permaneceu e ficou sendo venerado pelos fieis.

Em 1267 foi construído um Mosteiro no terreno ao lado da Capela de pedra e ela, foi confiada a Ordem dos Agostinianos Eremitas. Em 1542 a Capela foi confiscada pelos luteranos e durante séculos passou a ser usada como dormitório. Contudo, os objetos sagrados e inclusive o CRISTO Crucificado foram salvos e escondidos, graças à coragem e o desprendimento de fieis que verdadeiramente amavam a Igreja. E por causa da perseguição luterana o Crucifixo Milagroso jamais foi mostrado ao público e por isso mesmo, com a sequência dos anos, ficou no esquecimento e hoje ninguém sabe nenhuma notícia sobre ele.

Por outro lado, depois de longo tempo ocupada pelos luteranos, a Capela ficou fechada e esquecida. Foi demolida na época da Segunda Grande Guerra Mundial.

Regensburg está situado na Bavária, parte sul da Alemanha, próximo a Munique. Naquela época pertencia a administração de Munique. Nos arquivos da Cúria Arquidiocesana de Munique estes acontecimentos estão registrados, mas o nome do sacerdote propositalmente foi ocultado.

Próxima Página

Página Anterior

Retorna ao Índice