OS PADRES REDENTORISTAS - Chegaram no dia 28 de Outubro de 1894 à cidade de Aparecida, com a missão de evangelizar o povo, guardar e difundir a devoção à NOSSA SENHORA APARECIDA. Era um grupo de padres alemães, da região da Baviera, sob a direção do Padre Gebardo Wiggermann. Também vindos de outros países da Europa, missionários redentoristas se espalharam pelo Brasil, com vocação para prestar trabalho pastoral em diversos Santuários, além do Santuário Nacional, aproximando-se do povo, derrubando barreiras culturais e acolhendo a religiosidade popular. Deram importância a catequese com linguagem simples e direta, além exercitar a vida sacramental através da Eucaristia e Reconciliação. Valorizaram as romarias e devoções populares, como maneira honesta de rezar, reconciliar, conviver santamente e celebrar a vida. Notamos também, que nos Santuários onde assumiram, tomaram a iniciativa no campo das comunicações sociais, fundando editora, jornais, revistas e rádios. Sem dúvida, estas providências ajudaram de maneira preponderante, na divulgação do movimento de cada Santuário, além de mostrar às pessoas através de suas divulgações, a grandeza e o encantador amor que nossa MÃE SANTÍSSIMA sempre manifestou por sua maternal e poderosa intercessão junto a DEUS, em benefício de todos os seus filhos.

OUTROS ACONTECIMENTOS - Em 1904 a imagem foi solenemente coroada por determinação de Sua Santidade o Papa Pio X, com o nome de NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO APARECIDA.

Em 1930, Sua Santidade o Papa Pio XI proclamou NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO APARECIDA, "RAINHA e PADROEIRA do BRASIL".

A idéia de construir a Nova Basílica nasceu com Dom José Gaspar de Afonseca, bispo do Rio de Janeiro, em sua visita oficial de 12 de Outubro de 1940 à PARÓQUIA DE NOSSA SENHORA APARECIDA. Na continuidade, para concretizar o seu desejo, agilizou as primeiras providências, escolhendo o terreno, determinando uma comissão para o estudo técnico e a confecção de um primeiro esboço que chamou de "A CIDADE DE NOSSA SENHORA APARECIDA".

Com o falecimento de Dom José Gaspar em 1944, assumiu a diocese Dom Carlos Carmelo de Vasconcelos Motta, que também desde o início manifestou o propósito de continuar os estudos e iniciar a construção.

CONSTRUÇÃO DA BASÍLICA - Em princípio de 1946, foi escolhido o local atual para o Santuário, no Morro das Pitas, bairro da Ponte Alta, próximo ao Porto de Itaguaçú e bem próximo de onde era a casa de Felipe Pedroso, na qual a imagem permaneceu por quase 10 anos, antes de ir para a Igreja do Morro dos Coqueiros, hoje Basílica Velha.

A colocação da pedra fundamental nos alicerces da Basílica aconteceu no dia 10 de Setembro de 1946, pelas mãos do Cardeal Patriarca de Lisboa, Dom Manuel Gonçalves Cerejeira, que trouxe terra de Fátima e depositou no cofre da pedra angular, na presença de todos os Cardeais do Brasil, autoridades religiosas, civis e militares.

O projeto é de autoria do Engenheiro Benedito Calixto de Jesus, e foi aprovado pela Comissão Pontifícia da Santa Sé.

Os serviços de terraplenagem começaram em Setembro de 1952.

A construção teve efetivo apoio do Governo do Estado de São Paulo, principalmente do Governador Dr. Lucas Nogueira Garcez, e também do Governo Federal, primordialmente do Presidente da Republica Dr. Juscelino Kubitschek de Oliveira.

A Basílica possui dimensões apreciáveis, com 173 metros de comprimento, 168 metros de largura, área coberta aproximada de 18.000 metros quadrados, cúpula com 80 metros de altura, quatro naves dispostas em cruz, cada uma com 40 metros, e uma torre com 108 metros. A capacidade é para 45.000 pessoas, sendo o maior Santuário do mundo, dedicado a NOSSA SENHORA. Somente a Basílica de São Pedro no Vaticano é maior do que ela.

A história religiosa do Santuário Nacional guarda com muita alegria, a data de 19 de Abril de 1958, quando o Santo Padre o Papa Pio XII, criou a Arquidiocese Metropolitana de Aparecida.

Em 15 de Agosto de 1967, ocasião da comemoração do 250º Aniversário do encontro milagroso da imagem, embora estando inacabada, a Basílica Nova foi inaugurada pelo Sumo Pontífice o Papa Paulo VI, representado por um legado especial do Vaticano, junto ao trono da Padroeira do Brasil, ofertando-lhe uma "Rosa de Ouro", precioso símbolo de amor e confiança, pelas inúmeras bênçãos e graças, que generosamente Ela distribui para todos aqueles que solicitam sua poderosa intercessão junto a DEUS.

Em Julho de 1980, em cerimônia solene presidida por Sua Santidade o Papa João Paulo II, a Basílica foi consagrada oficialmente à NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO APARECIDA.

FESTA DA PADROEIRA - Desde que a Igreja foi inaugurada no Morro dos Coqueiros, a Festa da Padroeira era comemorada no mês de Maio, principalmente no primeiro domingo do mês, quando se celebrava a Festa maior especialmente em honra de NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO APARECIDA. Posteriormente a homenagem passou a ser comemorada no dia 8 de Setembro, data em que se celebra a Natividade de NOSSA SENHORA e também, no dia 8 de Dezembro, quando se comemora a IMACULADA CONCEIÇÃO DA VIRGEM MARIA.

Em 1894, o Santo Padre Papa Leão XIII, incluiu a VIRGEM APARECIDA no Calendário da Diocese de São Paulo e determinou que sua Festa fosse comemorada no "quinto domingo depois da Páscoa".

Todavia, a partir de 1908, o Santo Padre o Papa Pio X, mandou fixar no Breviário e no Missal, a data de 11 de Maio para a celebração da Festa.

Em 1939, os Bispos do Brasil reunidos solicitaram e conseguiram outra mudança: utilizar a data de 7 de Setembro, quando fazemos expressiva homenagem à Pátria, na Festa da Independência do Brasil, fosse também comemorada e homenageada NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO APARECIDA, Padroeira do Brasil, com o objetivo de dar mais realce a festa de nossa MÃE SANTÍSSIMA. Assim, a partir do dia 7 de Setembro de 1939 até o dia 7 de Setembro de 1953, foi comemorada a Festa da VIRGEM APARECIDA no mesmo dia da comemoração da Independência do Brasil.

Entretanto, observou-se a inconveniência das duas comemorações na mesma data. Isto porque, normalmente as solenidades cívicas eram realizadas pela manhã, exatamente no horário das Missas, pois naquela época não havia possibilidade da realização dos Ofícios Litúrgicos à tarde ou à noite. Daí a necessidade de nova mudança.

Finalmente, desde 1954, ano em que foi realizado o Primeiro Congresso Nacional de NOSSA SENHORA APARECIDA, em memória a coroação de sua veneranda imagem como RAINHA E PADROEIRA DO BRASIL, fixou-se a data de 12 de Outubro. A decisão foi aprovada pela Santa Sé a pedido da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Em todas as Festas, o povo sempre corresponde com maciça presença e muito carinho. E também, durante todos os meses do ano, mesmo nos dias sem nenhuma festividade, a afluência de romeiros é muito grande. Todavia, no dia da Festa, ou seja, no dia 12 de Outubro, o SANTUÁRIO NACIONAL DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO APARECIDA, Rainha e Padroeira do Brasil, é frequentado por uma multidão notável, que ultrapassa as estimativas mais otimistas, tendo alcançado em 1980 o número aproximado de 400.000 visitantes.

Próxima Página

Página Anterior

Retorna ao Índice