CONSOLAR JESUS

A Santa nos revela:“Um domingo, ao fechar o livro de orações no fim da Missa, ficou aparecendo a extremidade de um santinho de JESUS Crucificado, que mostrava o sangue fluindo de uma das mãos trespassadas. Acorreu-me um sentimento inefável e de pesar que encheu de dor o meu coração, à vista daquele sangue precioso que gotejava sem que houvesse alguém para acolhe-lo. Então decidi, ficar continuamente em espírito junto a Cruz do SENHOR, para recolher aquele orvalho Divino da Salvação e aspergi-lo sobre todas as almas. A partir daquele dia ressoava a cada instante em meu coração as palavras de JESUS Crucificado: Tenho Sede! E aos ecos do Divino brado ateava em minha alma um fogo tão insólito e vivo, que aguçava minha ânsia em dar de beber ao meu Amado salvando-LHE almas, ao mesmo tempo em que fazia crescer no meu espírito uma sede indômita, para arrancar a todo custo os pecadores às chamas do inferno, com o objetivo de suavizar e mitigar ainda mais, a sede do SENHOR.” (pág 105)

 

 

JESUS SACRAMENTADO

 

“DEUS desce todos os dias do Céu, não para ficar esquecido no Cibório de ouro, fechado no Sacrário, mas para repousar em outro céu, no céu de nossa alma, objeto constante de suas Divinas delícias.” (pág 111)

“Certo dia, contra o meu costume, estava um tanto inquieta ao aproximar-me da Mesa para receber a Sagrada Comunhão. Acrescia o fato de que há vários dias comungávamos apenas um pequenino fragmento da Hóstia Consagrada, porque não havia partículas suficientes para todos. Mesmo assim, naquela manhã, sem que houvesse motivo para tal procedimento, gravou em minha mente a idéia fixa de que se não recebesse uma partícula inteira, era sinal de que NOSSO SENHOR chegava contrariado ao meu coração! Ao ajoelhar-me para receber a Santa Eucaristia, o sacerdote pára um instante e dá-me a comungar "duas partículas inteiras, bem distintas!" Minha surpresa aliou-se a uma grande satisfação! Sem dúvida, foi uma resposta maravilhosa e repleta de delicadeza de meu querido JESUS” (pág 179)

 

OS SACERDOTES

“Encontrei-me durante um mês com grande número de “sacerdotes santos”, e verifiquei que, embora possuíssem a sublime dignidade sacerdotal que se avantajava sobre os espíritos evangélicos, nem por isso deixavam de ser homens fracos e frágeis. Assim, se os “sacerdotes santos” aos quais JESUS no Evangelho chama de “sal da terra” dão sinais de necessitarem de orações para serem fieis e poderem perseverar no caminho do direito, da justiça e do amor fraterno, que há de se pensar dos que são tíbios? No Evangelho o SENHOR pergunta: “Se o sal perder a sua força, com que tempero se há de salgar?”(Mt 5,13)

“Como é bela a nossa vocação, minha querida Madre! Temos a missão de preservar da corrupção o “sal da terra”, oferecendo orações e sacrifícios pelos Sacerdotes, Apóstolos do SENHOR, e tornando-nos deste modo, guardiãs deles, a fim de que eles continuem com suas palavras e exemplos evangelizando a alma de nossos irmãos.” (pág 126/127)

 

CONTROLAR A PRÓPRIA VONTADE

Na época em que Teresinha esperava completar a idade mínima exigida para entrar no Convento do Carmo, nos dá um notável exemplo de vida, realizando perseverantes mortificações, para ser mais digna de NOSSO SENHOR. Suas palavras explicam o seu procedimento:

“Quando falo em mortificações, não quero me referir às penitências dos Santos. Longe de querer aparecer como aquelas almas de impressionante valor, que desde a infância se entregaram a toda sorte de macerações. As minhas mortificações são modestas e consistem primordialmente em quebrar a minha vontade, e assim, evitar qualquer resposta áspera ou palavra de réplica, em prestar pequenos obséquios as pessoas de minha convivência e muitas outras iniciativas deste gênero. Desse modo, ia-me preparando com o exercício destes “nadas”, para ser digna esposa de JESUS, utilizando o tempo de espera para aprimorar na renúncia de mim mesmo, no cultivo da humildade e nas demais virtudes.” (pág 147)

 

LUZES DO EVANGELHO

DEUS derrama em nosso coração as luzes que necessitamos, iluminando a mente, as palavras e o nosso desempenho. E também para ajudar, quando sentimos necessidade de apoio espiritual, encontramos na Sagrada Escritura a inspiração certa e objetiva, que indica o caminho verdadeiro que irá conduzir a solução da dificuldade e da paz interior. Santa Teresinha descreve sua experiência:

“Sobretudo, utilizo o Novo Testamento para entreter-me com proveito em tempo de oração, pois nele sempre encontro tudo o que necessito, como luzes que iluminam os sentidos ocultos de alguns acontecimentos, além de uma misteriosa e objetiva orientação. Compreendo por isso, e sei por experiência, que o Reino de DEUS está dentro de nós. (Lc 17,21) Para instruir as almas, JESUS não necessita de livros e nem de professores especialistas, pois sendo ELE o DOUTOR dos doutores, ensina as palavras sem estrépito e sem qualquer ruído. Nunca ouvi o som de Sua Voz, mas sei que ELE habita em minha alma, guiando-me e inspirando-me em todos os momentos, fazendo-me descortinar e saber no instante em que mais necessito, os clarões e as luzes que até então desconhecia, iluminando minha mente no momento da oração, ou mesmo durante as ocupações domésticas de cada dia.” (pág 185/186)

 

Próxima Página

Página Anterior

Retorna ao Índice