FAMILIARES, PROFISSÃO E RESIDÊNCIA

Simão era filho de João e nasceu em Betsaida, assim como o seu irmão André. Possuía um gênio forte e temperamento impulsivo, alojado num coração generoso e repleto de bondade. Não se deixava vencer pela adversidade, revelava uma fibra invejável, embora a sua coragem e iniciativa pessoal estivessem fundamentadas na própria força humana. Homem simples, rude, de pouca instrução, dedicava-se à pesca. Fixou residência em Cafarnaum da Galiléia, que era banhada pelo Lago de Genesaré, também chamado Mar de Tiberíades ou Mar da Galiléia. Na pescaria tinha sociedade com o seu irmão André e o trabalho começava cedo, porque procuravam regressar antes do horário de almoço, a fim de poderem comercializar o pescado na cidade e arredores. Como aquela região é muito quente no período do verão, Simão adquiriu o hábito de pescar completamente despido (Jo 21,7), pois se sentia melhor e com os movimentos mais livres. Quando terminava a pescaria, colocava uma espécie de calção e uma veste, a fim de transportar o pescado em cestas na companhia de André, para serem vendidos no mercado e na praça. Era casado, mas pouco se conhece sobre a sua vida íntima, antes da conversão. O Novo Testamento apenas registra a presença de sua sogra em Cafarnaum, conforme escreveu São Mateus:

“Entrando JESUS na casa de Simão (Pedro), viu a sogra deste que estava de cama e com febre. Logo lhe tocou a mão e a febre a deixou. Ela se levantou e pôs-se a servi-LO”. (Mt 8,14-15)

Também o Evangelista João Marcos registrou este acontecimento:

“E logo ao sair da sinagoga (JESUS) foi à casa de Simão e de André, com Tiago e João. A sogra de Simão estava de cama com febre, e eles imediatamente o mencionaram a JESUS. E (ELE) aproximando-se, tomou-a pela mão e a fez levantar-se. A febre a deixou e ela se pôs a servi-los.” (Mc 1,29-31)

Pelos textos, compreende-se que André morava junto com o seu irmão Simão, e que além da esposa de Pedro também morava na mesma residência, a sogra dele. Entretanto, naquele momento, a única mulher que estava em casa era a sogra de Pedro e ela permanecia deitada com febre. Depois de curada por JESUS é que teve condições físicas de preparar a refeição para todos e foi servi-los. Assim sendo, pode-se deduzir que a esposa de Simão estava ocupada em outra atividade, provavelmente ajudando na limpeza e comercialização do pescado no mercado ou na praça. Isto porque, eles viviam do trabalho e naquele momento Pedro estava com JESUS. Ela, a esposa, além de cuidar da casa ajudava o marido no produto da pescaria e em todas as viagens missionárias, conforme afirma São Paulo na Primeira Carta aos Coríntios:

“Não temos o direito de levar conosco, nas viagens, uma mulher (esposa) cristã, como os outros Apóstolos e os irmãos do SENHOR e Cefas (Pedro) ?” (1 Cor 9,5)

Isto acontecia, pela necessidade dos Apóstolos serem servidos e não se preocuparem com as atividades domésticas, e assim, terem mais tempo para evangelizar, confirmando desse modo, que Pedro levava consigo a própria esposa durante as missões apostólicas. Este fato é também mencionado pelo biógrafo Clemente de Alexandria no ano 190: “a esposa de Pedro estava sempre ao lado dele, foi presa pelos soldados de Nero e sofreu o martírio em Roma provavelmente no ano 64 ou 65.” (Stromata, III, VII, página 306).

SANTA AURÉLIA PETRONILLA

Por outro lado, existe uma secular tradição de que o Apóstolo Pedro teve uma filha. Esta notícia teve origem na afirmação do mesmo biógrafo Clemente de Alexandria que escreveu no ano 189/190, “que Pedro tinha uma filha” (conforme Stromata, III Vol., VI Cap., página 276, 2ª edição Dindorf).

Para um homem casado como Simão Pedro ter uma filha, é um fato absolutamente normal. Acontece todavia, que nem a Tradição Cristã e nem os evangelistas mencionam o fato. João Marcos (o Evangelista) que acompanhou o Apóstolo ao longo do trabalho evangelizador e inclusive era o seu interprete em Roma, não escreveu nada sobre o assunto. E Marcos, como sabemos, escreveu o Segundo Evangelho de NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, essencialmente baseado na autoridade e na pregação oral de Simão Pedro, a pedido dos cristãos romanos que queriam possuir por escrito o ensinamento do Apóstolo de JESUS. Então, oficialmente, por testemunho seguro e prova evidente, nada existe de concreto sobre a filha de Pedro, muito embora ela pudesse ter existido, sem contudo, aparecer no imenso cenário do cristianismo. Entretanto, na sequência dos anos, as noticias cresceram em intensidade e inclusive alguns biógrafos associam a possível filha do Apóstolo, ao nome de Aurélia Petronilla, como se esse fosse o verdadeiro nome dela.

O nome de Aurélia Petronilla, era de uma romana que viveu no século I, sendo bem provável que tenha se convertido ao cristianismo através das pregações e ensinamentos do Apóstolo Simão Pedro. Era filha de Tito Flavio Petrônio, e pertencia a estirpe do futuro Imperador Romano. O seu parentesco é testemunhado de modo inconfundível pelo fato de ter sido sepultada no Cemitério que pertencia à família e que era chamado Cemitério de Flavia Domitila. Mulher de grande beleza, conforme afirmam os historiadores, foi oferecida em casamento (como era costume naquela época) a um nobre chamado Flacco e tinha somente três dias para se decidir. Agora convertida ao cristianismo, não quis aceitar aquela situação, e por isso mesmo, sofreu muito e ficou excessivamente deprimida, se consumindo numa terrível batalha íntima. Rezava e fazia mortificações, em vão, porque a nostalgia causada pelo fato, alterava o seu equilíbrio espiritual. Suplicou a ajuda Divina para solucionar o problema que lhe afigurava como muito grave e abominável, considerando que pretendia perseverar e manter a virgindade. Preferia morrer a se casar com aquele homem. No terceiro dia, após ter recebido a Sagrada Comunhão (a Fração do Pão, como os cristãos celebravam), envolvida por forte comoção, desmaiou e perdeu os sentidos, caindo nos braços de sua mãe, que ao ampará-la percebeu que ela estava morta em seus braços. A vivacidade de seus reflexos e seu agradável sorriso, desapareceram de sua face. Foi sepultada no Cemitério de Domitila, na via Ardeatina, ao lado de dois mártires: soldado Nereo e Achilleo (conforme De Rossi, "Roma sotterranea", I,180-1) (talvez esta seja a razão porque também a chamavam de mártir). Era muito venerada pelo povo e sua sepultura frequentemente visitada. No ano 390/395 sob a ordem do Papa Sirício, foi construído no local uma bonita Igreja. No século VIII, ano 757, o Papa Paulo I se empenhou e cumpriu a promessa de seu antecessor, Papa Estevão III que havia prometido a Pepino, Rei da França, de transladar o corpo de Aurélia Petronilla que tinha sido canonizada por suas virtudes especiais, daquela Igreja no cemitério, para a Basílica de São Pedro no Vaticano, construindo um altar próximo ao túmulo do Apóstolo Pedro. Na verdade, a monarquia francesa desde a morte de Petronilla, sempre acreditou que a Santa fosse realmente a filha carnal do Apóstolo Pedro. E este foi o motivo porque originou a solicitação do rei da França ao Papa. A devoção do povo a Santa Petronilla cresceu, embora em seu altar fosse colocada a inscrição "Ecclesiae romanae filii" (denominando-a de romana filha da Igreja) e portanto filha adotiva da Igreja e filha espiritual de São Pedro (porque foi convertida por ele). Assim sendo, embora o Vaticano tenha acolhido a solicitação francesa transportando os restos mortais de Petronilla para a Basílica de São Pedro, oficialmente não a considera filha carnal do Apóstolo, mas somente “filha espiritual” por ter sido convertida por Pedro. Entretanto, alguns escritores desde aquela época, insistem e mantém a opinião de que Santa Petronilla é de fato a filha de Pedro e inclusive, querem encontrar parentesco até na semelhança dos nomes: Pedro e Petronilla, a fim de reforçar a idéia do laço da paternidade do Apóstolo. Mas, embora na França também permaneça enraizada a idéia de que Santa Aurélia Petronilla é a filha carnal do Apóstolo São Pedro e por isso, é muito venerada e é patrona de diversas Igrejas e organizações religiosas, na maioria da cristandade existe uma normal aceitação de que Simão Pedro era casado e portanto podia perfeitamente ter uma filha, mas que pela conclusão dos estudiosos a filha de Pedro não é Aurélia Petronilla e sim uma outra santa mulher, que infelizmente a história ocultou o seu nome para sempre.

O CHAMADO DE JESUS

André, irmão de Simão, era Discípulo de João Batista e sempre o ajudava na organização do povo que acorria ao rio Jordão, para ser batizado. Batista realizava um Batismo de Penitência, preparando as pessoas para que se arrependessem de seus pecados e assim, dignamente recebessem o Messias. André ouvia os ensinamentos de Batista e guardava diligentemente as suas palavras, com uma grande esperança na chegada do SENHOR. Naquele dia, ele estava do outro lado do rio Jordão, com João Batista e João Evangelista, filho de Zebedeu, quando JESUS passando por eles, cumprimentou a distância e seguiu o seu caminho.

João Batista falou:

                           “Eis o Cordeiro de DEUS”. (Jo 1,36)

André e João Evangelista ouvindo, ficaram emocionados e ansiosamente se despediram de Batista. Agitados e com o coração pulando de alegria, se aproximaram do SENHOR. JESUS convidou-lhes a segui-LO. Mais tarde, regressando a casa, André falou com Simão que tinha encontrado o Messias e contou-lhe a novidade. Simão acolheu a notícia com imenso prazer e logo se manifestou interessado em conhecer o SENHOR. Juntos no dia seguinte encontraram JESUS, que olhando bem nos olhos dele, falou:

“Tu és Simão, filho de João; chamar-te-ás Cefas” (que traduzindo para o português significa Pedra=Pedro). (Jo 1,42) (Pela riqueza do vocabulário português logo notamos a diferença entre as duas palavras Pedro e Pedra. Por isso mesmo, não temos meios de avaliar a força da palavra no original aramaico, que por ser um idioma pobre, com poucos vocábulos, uma mesma palavra “Cefas” indica o elemento rocha e o nome daquele que foi escolhido para Chefe do Colégio Apostólico). Entretanto, importante é entender o significado e a intenção do SENHOR. ELE quis fundar a sua Igreja edificando-a sobre a Pedra, a Rocha indestrutível, que a torna firme e inabalável e por isso, mudou o nome de Simão para Cefas=Pedra.

Próxima Página

Retorno ao Índice